IBGE: feijão é cultura sensível, de ciclo rápido, e foi prejudicado por clima

  • Por Estadão Conteúdo
  • 07/07/2016 13h06
ABR - arroz feijão marmita self service serve serve vr almoço

O clima, principal responsável pela estimativa de queda de 8,4% na produção nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, em 2016, conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de junho do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), também atrapalha as safras de feijão e arroz

Segundo Alfredo Guedes, gerente da Coordenação de Agropecuária do Instituto, o feijão é mais sensível ao clima do que outros produtos, “feijão é uma cultura sensível, de ciclo rápido”, afirmou Guedes.

A quebra de safra da leguminosa tem feito o tradicional alimento das famílias brasileiras se tornar vilão da inflação. O IBGE projeta, para 2016, uma produção total de 2,9 milhões de toneladas nas três safras de feijão ao longo do ano, queda de 6,6% em relação a 2015. 

Segundo Guedes, o consumo nacional é estimado em 3,2 milhões de toneladas por ano. Os preços sobem também porque o grão é perecível, não tem estoques e poucos são os países exportadores.

O clima afetou o feijão porque choveu muito no início do ano, época do plantio, explicou o especialista. Depois, houve seca e, mais recentemente, geadas atrapalharam a produção (o Paraná é o principal produtor do feijão carioca, a variedade mais consumida). 

A “esperança” para a dinâmica de preços seria a terceira safra, que está sendo plantada. O IBGE já projeta uma queda de 2,2% na produção da terceira safra em relação a 2015 mas, de acordo com Guedes, não dá para contar muito com seu rendimento porque esta responderá por apenas 14,9% da produção anual. 

Já no arroz, a redução da safra também começa a se refletir no preço. Nessa cultura, o problema foi a chuva de janeiro no Rio Grande do Sul, que responde por 72,3% da produção nacional, “pode ser que a gente precise importar”, perspectivou o pesquisador, destacando que a produção total nacional do cereal está estimada em 11,5 milhões de toneladas para 2016 (12,2% abaixo de 2015), mas o consumo anual é estimado em 11,5 milhões de toneladas.

Milho e trigo

Daqui até o fim do ano, a segunda safra de milho e a safra de trigo serão os principais fatores a determinar a produção agrícola de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2016. De acorod com o gerente, não é possível estimar se as projeções melhorarão ou piorarão no segundo semestre, destacando que o trigo é “muito suscetível” ao clima, principal responsável pela quebra de safra geral deste ano, “tem espaço para piorar”, reconheceu.

A estimativa de junho do IBGE para o milho de segunda safra é de queda de 20,1% em relação a 2015. Para o trigo, ainda não há estimativa porque ele é plantado após a segunda safra de milho. Mesmo que a produção não seja grande em termos históricos, poderá haver alta devido a quebras de safra em 2014 e 2015.