Imigrantes não vêm para ficar aqui, diz porta-voz do governo acriano

  • Por Jovem Pan
  • 20/05/2015 16h19
SÃO PAULO,SP,20.05.2015:HAITIANOS-SP - Movimentação de haitianos refugiados na Paróquia da Paz (Missão Paz), no Glicério, região central de São Paulo (SP), na manhã desta quarta-feira (20). O governo do Acre voltou a enviar ônibus com imigrantes haitianos para São Paulo após quatro meses. Em entrevista à CBN, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad disse que faltou comunicação com governo federal sobre chegada de haitianos. Cerca de mil haitianos devem desembarcar na capital paulista nos próximos dias. (Foto: André Lucas Almeida/Futura Press/Folhapress) Folhapress Cerca de mil haitianos devem desembarcar na capital paulista nos próximos dias

Governador do Acre se reúne nesta quinta-feira (21) com representantes federais em Brasília para discutir a situação dos imigrantes haitanos. De acordo com Rio Branco, desde 2010 quase 40 mil imigrantes entraram no Brasil, mas apenas 50 ficaram no Estado.

Em entrevista ao repórter Tiago Muniz, o porta-voz do governo do Acre, Leonildo Rosas destacou que os números apresentados são uma “demonstração clara que os imigrantes não vêm para ficar no Acre”.

Segundo Rosas, o fluxo de haitianos é contínuo e o Estado não tem mais condição de manter um atendimento humanitário. “O Governo federal vai assumir responsabilidade, mas estamos em processo de transição”, explicou.

O problema com a imigração não é apenas no Brasil, nas últimas semanas teve-se notícia de imigrantes chegando pelo Mediterrâneo. “O mundo inteiro está vivenciando. (…) É um assunto complexo que não podemos resolver em cinco dias”, disse.

Ele ressaltou ainda as conversas entre os governos do Acre e São Paulo e o Governo federal e disse que este “tem sido parceiro do governo do Acre e vai ser parceiro dos outros governos”.

Rosas informou ainda que não é o governo acriano que toma providências em relação ao transporte dos imigrantes para outros Estados. “Alguns imigrantes saem voluntariamente para outros Estados brasileiros. Muitos chegam com recurso próprio e vão para outros Estados”.

Sobre as condições humanitárias tidas no Acre, Leonildo Rosas destacou que o abrigo que recebe os imigrantes está superlotado. “As condições não são tão adequadas como eram no início. Damos alimentação e ajudamos com a documentação. Quanto aos transportes, eles optam por ir para outros Estados”, finalizou.

Em São Paulo, a notícia nesta terça-feira (19) do envio de quase mil imigrantes haitianos pelo governo do Acre causou preocupação. Desde quinta-feira (14), 22 ônibus saíram de Rio Branco com direção a capital paulista. O transporte custará R$ 1 milhão e será bancado pelo Ministério da Justiça. A secretaria de Direitos Humanos da Prefeitura afirmou que a medida tomada pelo governo acriano causa grande desconforto.

O prefeito Fernando Haddad disse que não há problemas em receber os imigrantes, mas reclamou da falta de aviso. “Ontem mesmo, o secretário de Direitos Humanos ligou para Brasília e para o Acre pedindo um pouco mais antecedência. É difícil receber de última hora. Agora vamos fazer o que for possível para recepcioná-los. Mobilizar as empresas em busca de força de trabalho para que eles possam se alocar o mais rapidamente possível”, disse.