Índice Bovespa abre pregão em queda em tendência mundial após Xangai despencar

  • Por JP com EFE e ABr
  • 24/08/2015 09h01
Oficina de câmbio em Hong Kong - yuan - dólar

O Índice Bovespa (IBovespa) abriu pregão nesta segunda-feira (24) em queda e chegou a mais de 6,49% de desvalorização por volta das 10h30, devido à acentuada queda das bolsas asiáticas, especialmente a da China (Xangai fechou o dia com mais de 8% de perdas). Às 11h08, o índice que mede as ações da bolsa de valores de São Paulo se recuperou um pouco, mas mantinha forte decréscimo, de 4,12%.

Bolsas da Europa e dos Estados Unidos também começaram o dia com valores muito negativos:

  • EUA: O índice Dow Jones, principal medidor de Wall Street, abriu em forte baixa de 6,14%
  • EUA: Índice Nasdaq abriu o dia caindo 4,95%
  • Itália: A Bolsa de Milão: FTSE MIB abriu em forte baixa de 3,76%
  • França: A Bolsa de Paris: CAC-40 abriu em forte baixa de 3,07%
  • Espanha: A Bolsa de Madri: Ibex-35 abriu em forte baixa de 2,84%
  • Alemanha: A Bolsa de Frankfurt abriu em forte baixa de 3,24%
  • Inglaterra: A Bolsa de Londres abriu em forte baixa de 2,55%

Entenda o motivo

A bolsa de Xangai, na China, registrou nesta segunda (24) perdas superiores a 8%, aproximadamente meia hora depois da abertura da sessão, tendência seguida nas praças de Hong Kong e de Tóquio. Xangai fechou o dia na China em -8,49%.

A bolsa de Hong Kong, território autônomo que pertence à China, encerrou a sessão de hoje em baixa de 5,17%, a segunda maior queda do ano, arrastada pelas perdas na praça financeira de Xangai.

A bolsa de Shenzhen, segunda praça financeira da China, também teve queda de 7,17%.

Em Tóquio, Japão, depois de ter aberto em queda de 1,81%, o Nikkei teve baixa de 3,21% no meio da sessão de hoje. A bolsa japonesa fechou em forte baixa de 4,5%.

O índice de referência da antiga de Hong Kong, o Hang Seng, recuou hoje 1.158,05 pontos (5,17%). Foi a segunda maior queda do índice no ano.

A desaceleração das bolsas asiáticas continua consolidando a tendência de descida do preço do petróleo que, esta manhã, chegou a US$ 44,28 no mercado de Londres, próximo do mínimo registado em março de 2009.