Indignação e tristeza marcam enterro de jovens mortos pela PM no Rio

  • Por Agência Brasil
  • 01/12/2015 12h09

Foram levados cartazes de protesto e uma bandeira do Brasil furadaJovens mortos por PMs são enterrados no mesmo cemitério do Rio de Janeiro

Os cinco jovens mortos por agentes da Polícia Militar no último sábado no bairro de Costa Barros, zona norte do Rio, foram enterrados nesta segunda-feira (30), no Cemitério de Irajá. Foram sepultados Roberto de Souza Penha (16 anos), Wilson Esteves Domingos Júnior (20 anos), Wesley Castro Rodrigues (25 anos) e Carlos Eduardo da Silva de Souza (16 anos). Cleiton Corrêa de Souza (18 anos) foi sepultado à noite, porque o corpo demorou a ser liberado do Instituto Médico Legal.

“O meu filho era caseiro. Era casa, trabalho, casa. Não se envolvia em nada. O primeiro salário dele, foi comemorar no Parque Madureira. Na volta, foi lanchar com os colegas e olha o resultado: mais de 50 tiros”, desabafou Jorge Roberto Lima da Penha, pai de Roberto.

“Se o meu filho tivesse matado um policial, ele estaria preso [no Presídio] em Bangu. Eu quero eles (os PMs) presos em Bangu e não no quartel. Só faço um pedido ao [governador Luiz Fernando] Pezão, como presente de Natal: uma a coroa de flores para botar no caixão do meu filho”, bradou Mônica Aparecida Corrêa, mãe de Cleiton.

Os cinco rapazes foram fuzilados dentro do carro em que estavam. Os PMs alegaram que um motoqueiro que estava ao lado do veículo abriu fogo e que um dos jovens, que estava no banco do carona também atirou. Foi encontrada uma pistola de brinquedo ao lado do carro.