Intervenção federal no Rio tem que ser última hipótese colocada, diz Maia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 09/11/2016 13h18
Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, participa do lançamento do Siele - Sistema de Informações Eleitorais (Marcelo Camargo/Agência Brasil)Deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) - ABR

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira (9) que uma intervenção do governo federal no Estado do Rio de Janeiro deve ser a “última hipótese colocada”. Para ele, uma intervenção teria efeito negativo para outros Estados do País e geraria uma insegurança para investidores. 

“Uma intervenção federal não vai resolver o problema”, afirmou Maia em entrevista ao chegar à Câmara, após reunião no Ministério da Fazenda para discutir soluções para a crise fiscal enfrentada pelo Rio de Janeiro. Nos bastidores, alguns parlamentares fluminenses defendem uma intervenção da União no Estado. 

O presidente da Câmara também cobrou o Tesouro Nacional e o Ministério da Fazenda a apresente até o fim desta semana soluções para a crise fiscal nos Estados e municípios brasileiros. “O importante é que, se o Tesouro tiver algum caminho, que dê rápido”, disse. Para ele, não dá para esperar 3 semanas por uma solução.

Maia disse que, na reunião com a equipe econômica, sugeriu que Tesouro e Fazenda enviem uma proposta ao Legislativo para ajudar a superar a crise não só o Rio de Janeiro, como todos os outros Estados. Ele defendeu, porém, que as propostas não podem ter impacto negativo no ajuste fiscal que o governo federal vem implantando.