Jordânia mantém esforços para evitar execução de piloto capturado pelo EI

  • Por Agência EFE
  • 01/02/2015 08h26

 A Jordânia afirmou neste domingo que continua se esforçando para evitar a execução do piloto jordaniano Moaz Kasasbeh, sequestrado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria, após a decapitação do jornalista japonês Kenji Goto ontem.

O porta-voz do governo jordaniano, Mohammed al Momani, condenou em comunicado o assassinato de Goto e denunciou as “práticas terroristas e o massacre do EI”.

Os jihadistas divulgaram ontem um vídeo no qual um carrasco do grupo extremista garante que a decapitação de Goto foi motivada pela participação do Japão na coalizão internacional contra o EI no Iraque e na Síria. No entanto, Kasasbeh não é mencionado na gravação.

Al Momani explicou que a Jordânia fez o máximo possível para conseguir a libertação do jornalista japonês, aceitando até mesmo trocá-lo pela terrorista Sayida al Rishawi, condenada à morte no país.

“O EI rejeitou todas as tentativas feitas pelas autoridades”, indicou o porta-voz jordaniano.

Há 11 dias, coincidindo com a viagem do primeiro-ministro Shinzo Abe ao Oriente Médio, o EI divulgou um primeiro vídeo no qual exigia do governo japonês o pagamento de US$ 200 milhões para não executar Goto e Haruna Yukawa, morto pelos radicais há uma semana.

Após a execução de Yukawa, o EI ameaçou na última quinta-feira assassinar Kasasbeh caso a Jordânia não libertasse antes do por do sol a terrorista Sajida al Rishawi. Em troca, os jihadistas não matariam Goto e também entregariam Kasasbeh.

O governo jordaniano concordou com a troca de al Rishawi pelos dois reféns, mas voltou atrás depois de o EI não mostrar provas de que o piloto estava vivo.