Jordânia pede mais ajuda internacional para cuidar de refugiados

  • Por Agencia EFE
  • 22/09/2015 15h40

Amã, 22 set (EFE).- O rei Abdullah II, da Jordânia, pediu nesta terça-feira à comunidade internacional, após uma reunião com o vice-chanceler alemão Sigmar Gabriel em Amã, mais ajuda para que seu país possa continuar a acolher os mais de 650 mil refugiados sírios que estão dentro de suas fronteiras.

Em comunicado, a Corte Real jordaniana assinalou que o monarca se referiu “à necessidade de os doadores internacionais e as organizações estenderem sua ajuda à Jordânia para permitir ao país aumentar os serviços humanitários aos refugiados”.

Gabriel agradeceu ao reino hachemita pelo amparo de um número tão elevado de refugiados sírios, e assinalou a “vontade da Alemanha de ampliar a cooperação com a Jordânia”, acrescentou a nota.

Hoje Gabriel, que é também tministro de Economia e de Energia, visitou o campo de refugiados sírios de Zaatari, a 85 quilômetros ao nordeste de Amã.

Ali, visitou uma família síria e anunciou que discutiria a possibilidade de levá-la à Alemanha.

Além disso, alertou para um “êxodo em massa” dos refugiados no Oriente Médio, em alusão à fuga de deslocados da região para a Alemanha, atravessando Turquia, Grécia, Hungria, Áustria e outros países europeus.

Além disso, descreveu a situação na Jordânia como “trágica”, devido ao grande número de refugiados que acolhe apesar de seus limitados recursos.

A Jordânia acolhe atualmente 1,4 milhão de cidadãos sírios, incluídos os 650 mil refugiados que fugiram de seu país pelo conflito iniciado em 2011. EFE