Julgamento de neonazistas gregos é suspenso novamente

  • Por Agencia EFE
  • 14/05/2015 15h27

Atenas, 7 mai (EFE).- O julgamento dos líderes do partido neonazista grego Amanhecer Dourado por assassinato e direção de um grupo criminoso foi novamente suspenso nesta quinta-feira porque um dos acusados teve que mudar de representação legal.

O tribunal anunciou que a próxima audiência será realizada em 12 de maio, depois que um dos 68 acusados informou que tinha interrompido a relação com seu advogado ao não conseguir entrar num acordo sobre as condições econômicas.

O tribunal nomeou dois advogados de ofício que pediram o adiamento do julgamento para poder estudar o caso.

Nesta segunda sessão, a defesa voltou a solicitar a transferência do processo a outro tribunal, porque o tribunal de Korydalos está rodeada de escolas, que fecharam hoje para evitar que os alunos possam ver as exaltações nazistas por parte de seguidores de Amanhecer Dourado.

O tribunal decidiu que não pode se pronunciar sobre este ponto e anunciou que convocará as próximas sessões em datas que não coincidam com as provas escolares que começam em 18 de maio.

A maioria dos deputados do partido e teu líder, Nikolaos Mijaloliakos, não compareceram, mas estiveram representados por seus advogados.

Desde o começo da manhã, dezenas de manifestantes se concentraram diante da prisão e pediram que o julgamento ocorra fora do município.

Dos 68 acusados, todos exceto três devem responder às acusações de direção e filiação de organização criminosa, enquanto alguns também enfrentam delitos de assassinato e posse ilegal de armas, arquivos e drogas.

Em 20 de abril, foi adiado o início deste processo judicial, porque um dos acusados não tinha advogado e após designá-lo, o tribunal decidiu adiar a audiência para dar um tempo de preparar a defesa.

O detonante da investigação ao partido ultradireitista, que levou à prisão em outubro de 2013 da cúpula do partido, foi o assassinato do jovem rapper esquerdista Pavlos Fyssas em setembro desse ano pelas mãos de um militante de Amanhecer Dourado, Yorgos Rupakiás, que já cumpre pena por este crime.

A folha de acusação sustenta que, sob a aparência de um partido político, se esconde na realidade uma organização de corte e estrutura nazista, algo que os dirigentes de Amanhecer Dourado sempre negaram. EFE