Junho foi o mês mais quente registrado na história, indica órgão dos EUA

  • Por Agencia EFE
  • 21/07/2015 03h25

Washington, 20 jul (EFE).- O mês de junho foi o mais quente já registrado no planeta, se unindo a março e maio de 2015, que também bateram recordes de calor, para consolidar o primeiro semestre como a metade de ano com temperaturas mais altas desde quando os dados começaram a ser coletados.

A Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA) publicou nesta segunda-feira (data local) os dados relativos a junho, que vão na mesma linha dos registrados pela Agência Espacial Americana (Nasa) e a Agência Meteorológica do Japão (JMA), que também indicaram o calor de junho como recorde.

“A temperatura média global em terra e na superfície dos oceanos em junho de 2015 foi a mais elevada para esse mês desde que se começaram os registros em 1880”, indicou a NOAA em comunicado.

As regiões do planeta que bateram recordes de calor em junho foram o oeste dos EUA, o norte da América do Sul, várias zonas do centro e o oeste da África, o centro e partes do sudeste da Ásia.

Dentro do território americano, cinco estados, Califórnia, Oregon, Washington, Idaho e Utah (todos eles no oeste) bateram também seus próprios recordes de calor para um mês de junho.

O mês passado se soma a março e maio deste ano como os meses com mais altas temperaturas registradas em comparação com o mesmo período de anos anteriores, o que leva o primeiro semestre de 2015 a se tornar o mais quente do que se tem registro.

A temperatura superficial média global em junho ficou 0,41 graus centígrados acima da média entre os anos de 1981 e 2010, e 0,76 graus superior à média de todo o século XX, de acordo com dados da JMA, que também indicou o mês como o mais quente da história recente. EFE