Justiça Militar manda soltar sete PMs suspeitos de chacina em Osasco

  • Por Agência Estado
  • 13/02/2016 15h52
Protesto do Instituto Rio de Paz na Avenida Paulista no ano passado contra a falta de punição para os autores da chacina de Osasco

O juiz José Álvaro Machado Marques, do Tribunal de Justiça Militar, revogou no final da tarde desta sexta-feira, 12, a prisão preventiva de sete policiais militares suspeitos de participar da maior chacina da história de São Paulo, que deixou 19 mortos e cinco feridos, nas cidades de Osasco e Barueri, em agosto do ano passado.

Os suspeitos estavam presos em razão de um inquérito policial militar (IPM) que tramita na Corregedoria da PM. Na decisão, o magistrado considerou que o tempo de prisão excedeu o prazo legal e, por isso, mandou soltá-los.

Mas, dois dos policiais militares que receberam o alvará de soltura do TJM estão com prisão preventiva decretada pela Justiça comum e vão continuar na presos. Eles, junto com um guarda civil de Barueri – que também está preso – , são réus no processo da chacina.

Segundo as investigações da Corregedoria da PM e do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), policiais militares de Osasco se uniram a guardas civis de Barueri para vingar a morte de dois colegas de corporação dias antes da chacina.