Kim Jong-un não foi a desfile em Pequim por não receber tratamento especial

  • Por Agencia EFE
  • 03/09/2015 05h59

Seul, 3 set (EFE).- O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, se recusou participar do grande desfile militar que acontece nesta quinta-feira na China porque Pequim lhe negou um tratamento especial em relação a outros dirigentes, asseguraram fontes do país comunista ao jornal sul-coreano “Daily NK”.

O marechal norte-coreano não participou da cerimônia “porque não poderia estar de pé na primeira fila da plataforma principal” junto ao presidente da China, Xi Jinping, disseram ao jornal duas fontes ligadas aos quadros do Partido dos Trabalhadores de Pyongyang.

Os governos da Coreia do Norte e da China realizaram uma série de negociações depois que Pequim ofereceu a Kim um espaço em um dos lados, longe do centro, mas ambas partes não conseguiram alcançar uma solução satisfatória, segundo a versão das fontes.

Uma delas explicou que o regime trabalhou muito para construir um forte culto à personalidade de seu líder e, portanto , Kim Jong-un perderia a “dignidade” perante seu povo se aparecesse em uma posição secundária nas fotografias e vídeos do evento.

Desde que assumisse o poder em 2011, Kim ainda não realizou uma viagem oficial ao exterior, razão pela qual acredita-se que sua primeira visita teria de ser amplamente divulgada pela maquinaria propagandística do Estado.

No lugar do líder, a Coreia do Norte enviou a Pequim aquele que é considerado o número três do regime, o secretário do partido, Choe ryong-hae, como seu representante no grande desfile militar para lembrar os 70 anos da rendição japonesa na Segunda Guerra Mundial.

No desfile de Pequim, por outro lado, está presente Park Geun-hye, chefe de Estado da vizinha Coreia do Sul, um país que mantém laços cada vez mais estreitos com a China apesar da histórica aliança deste último com o regime comunista norte-coreano. EFE