Kim Jong-un se prepara para comemorar seu 31º aniversário com Dennis Rodman

  • Por Agencia EFE
  • 08/01/2014 00h45

Seul, 8 jan (EFE).- A Coreia do Norte celebra nesta quarta-feira o 31º aniversário do presidente do país, Kim Jong-un, com grande expectativa para a partida de basquete que Dennis Rodman e outros ex-jogadores americanos da NBA devem oferecer em Pyongyang para o jovem dirigente.

Por enquanto, o regime comunista norte-coreano não ofereceu detalhes sobre os eventos que vão acontecer ao longo do dia, e não se sabe se a imprensa estatal do país transmitirá as possíveis celebrações, inclusive a partida com Rodman.

O ex-jogador de basquete dos EUA, que estabeleceu uma relação de amizade com Kim Jong-un após suas três viagens anteriores a Pyongyang, está no país asiático junto com outras antigas estrelas da NBA, como Vin Baker e Cliff Robinson, para jogar uma partida de exibição diante do líder norte-coreano.

Apesar de a Coreia do Norte nunca ter confirmado o ano de nascimento do líder, acredita-se que Kim Jong-un completa hoje 31 anos, tanto por informações oferecidas por especialistas como pelo próprio Rodman, que no ano passado garantiu que o dirigente revelou sua idade para ele.

Em 2013, o aniversário do líder passou praticamente despercebido nos meios de comunicação da Coreia do Norte, um país caracterizado por cultuar ao extremo a personalidade de seus dirigentes.

Alguns especialistas acreditam que neste ano pode ser diferente, já que Pyongyang intensificou sua campanha propagandística para exaltar o jovem dirigente, especialmente depois da execução em dezembro de seu tio Jang Song-thaek, considerado número 2 do regime.

Em uma tensa entrevista exibida ontem ao vivo pela emissora americana “CNN”, Rodman afirmou na capital norte-coreana que sua iniciativa chamada de “diplomacia do basquete” é “uma grande ideia para o mundo”.

Na entrevista, que terminou aos gritos, o ex-jogador foi perguntado se falaria em nome da família do americano de origem sul-coreana Kenneth Bae, preso na Coreia do Norte desde 2012. Rodman respondeu insinuando que a prisão do cidadão foi justificada.

Por outro lado, a Casa Branca e o Departamento de Estado negaram qualquer ligação com a viagem da comitiva de Dennis Rodman, que classificaram como “privada” e insistiram que seus integrantes não estão representando os Estados Unidos. EFE