Lama de barragens rompidas chega ao Espírito Santo por meio de rios

  • Por Agência Brasil
  • 10/11/2015 12h37
Vitória (ES) - Ribeirinhos do município de Colatina estão sendo notificados sobre os perigos da onda de lama decorrente do rompimento das barragens de rejeitos em Mariana (MG) (Fred Loureiro - Secom - ES/Divulgação)Governo do Espírito Santo se prepara para onda de lama decorrente do rompimento das barragens de rejeitos em Mariana (MG)

Uma onda de lama chegou na madrugada desta terça (10) ao município de Colatina, no noroeste do Espírito Santo. A onda já passou pelo Rio Gualaxo do Norte, pelo Rio do Carmo e agora está se deslocando ao longo da calha do Rio Doce. A previsão é de que na quarta (11) chegue a Linhares. Segundo o Sistema de Alerta de Eventos Críticos (Sace), vinculado ao Serviço Geológico do Brasil, a onda de lama não causará enchentes nos municípios que estão localizados às margens do Rio Doce.

A lama é resultado do rompimento de duas barreiras de contenção de rejeitos da mineradora Samarco, que ocorreu na última quinta-feira (5) na região de Mariana (MG). O acidente destruiu o distrito de Bento Rodrigues, na zona rural do município mineiro.

Segundo o Corpo de Bombeiros, três mortes foram confirmadas e mais dois corpos passam por análise. Há 24 pessoas desaparecidas e mais de 600 pessoas estão desabrigadas e alojadas no ginásio da cidade e em hotéis. Os sobreviventes estão recebendo donativos, apoio médico, medicação e água. Segundo a prefeitura, mais 200 pessoas estão em casas de parentes.

O Serviço Geológico do Brasil faz o monitoramento contínuo da Bacia do Rio Doce, que abrange diversos municípios do leste de Minas Gerais e do Espírito Santo, para acompanhar a evolução da onda de lama provocada pelo rompimento das barragens. O sistema tem como objetivo alertar 15 municípios da bacia quanto ao risco de ocorrência de enchentes, sendo 12 em Minas Gerais e três no Espírito Santo.