Maduro convoca desfile cívico-militar por aniversário da morte de Chávez

  • Por Agencia EFE
  • 04/03/2014 20h03

Caracas, 4 mar (EFE).- O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, convocou seus compatriotas nesta terça-feira a comparecer amanhã ao desfile cívico-militar em honra a seu antecessor e mentor Hugo Chávez, falecido há um ano, em uma jornada de atos à qual confirmaram presença vários líderes e figuras internacionais.

“Amanhã, 5 de março, será o desfile cívico-militar em homenagem ao Comandante Supremo da Revolução. Participe!”, escreveu Maduro em sua conta no Twitter.

Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e da Nicarágua, Daniel Ortega, estreitos aliados de Chávez e agora de Maduro, anunciaram que assistirão ao desfile em Caracas, mas o chefe do Executivo da Venezuela não fez alusão ao assunto.

Além do desfile, está programada uma cerimônia no Quartel da Montanha em Caracas, onde repousam os restos do homem que comandou a Venezuela de 1999 até 5 de março do ano passado.

Chávez morreu ao perder a batalha contra um câncer que em 20 meses o levou em quatro ocasiões à sala de cirurgia em Cuba e a várias sessões de quimioterapia e radioterapia que finalmente não puderam acabar com a doença.

No funeral de Chávez estiveram presentes mais de 30 líderes estrangeiros que lhe deram o último adeus após vários dias de luto nacional nos quais centenas de milhares de pessoas passaram em frente ao caixão do líder.

Também nesta quarta-feira está prevista a estreia mundial do documentário de Oliver Stone “Meu amigo Hugo”.

O desfile acontecerá no momento em que Caracas e várias cidades da Venezuela estão imersas desde 12 de fevereiro em uma onda de protestos contra as políticas econômicas e sociais do governo de Maduro, com um balanço oficial de 18 mortos, mais de 260 feridos e centenas de detidos.

O governo responsabiliza os opositores por 15 mortes e admite que nas três restantes estão envolvidos agentes de corpos de segurança já detidos, enquanto a oposição responsabiliza as autoridades e “coletivos armados chavistas” pela violência.

A opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) não marcou atividades para esta quarta-feira, mas confirmou que convocou para quinta uma concentração de oração pelas vítimas da insegurança cidadã e da escassez de produtos de consumo em uma área do leste de Caracas, conhecido bastião chavista. EFE