Mais de 40 brasileiros entraram no Nepal depois do primeiro terremoto, conta embaixadora

  • Por Jovem Pan
  • 13/05/2015 09h54
Nepal tem dificuldade para começar reconstrução

Na manhã desta terça-feira (13), outra forte réplica do terremoto que abalou o Nepal no último dia 25 voltou a causar mortes. Ao menos 68 pessoas morreram e cerca de 2 mil ficaram feridas, somando mais de 8 mil mortos e 17.866 feridos, não há registro de brasileiros entre as vítimas.

A embaixadora do Brasil no Nepal, Maria Teresa Mesquita Pessoa, disse, em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã da Jovem Pan nesta quarta (13), que há registro de que 42 brasileiros entraram no país entre os dias 26 de abril e 12 de maio. “Muitos deles já partiram ou conseguimos contatar pelas famílias no Brasil. A grande maioria dos brasileiros aqui agora ou são residentes, estão aqui a trabalho, ou vieram oferecer ajuda humanitária”, detalhou.

O tremor atingiu 7,3 graus na escala Richter e, de acordo com a embaixadora, piorou a questão dos desabrigados. “Tem mais gente na rua porque quem ainda estava vivendo precariamente em casa com rachaduras não pode mais”, contou. Ela também relatou que, apesar da intensidade do terremoto, o abalo foi mais profundo e não causou os mesmos problemas que o primeiro: “não ficamos sem comunicação. A pior consequência foi o deslizamento de terras que bloquearam estradas e o número de casas e prédio que ruíram de vez”.

Maria Teresa ressaltou que o Nepal tem uma certificação que prepara construções para resistirem a tremores como esse, mas o acesso ao programa é restrito. “Esse mercado só funciona para casas mais caras”, disse.