Manaus tem terceira rebelião em presídio em menos de 24 horas

  • Por Jovem Pan
  • 02/01/2017 17h47
AM - REBELIÃO-COMPAJ-MANAUS - GERAL - Ambulâncias com feridos são escoltadas pela policia na saida do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), localizado no Km 8 da BR 174, em Manaus (AM), nesta segunda-feira (2). Pelo menos 80 pessoas morreram durante a rebelião de detentos que ainda acontece no Compaj. Até o momento, sete funcionários da Umanizare ainda são mantidos reféns pelos detentos. Há informações de que o ex-policial Moacir Jorge da Costa, o “Moa”, está entre os mortos. 02/01/2017 - Foto: EDMAR BARROS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDORebelião em presídio de Manaus - AE

Os presos do Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) estão realizando uma nova rebelião em Manaus. A informação foi confirmada por Glen Freitas, membro do Conselho de Direitos Humanos da OAB durante o programa Radioatividade. Essa é a terceira em menos de 24 horas na capital do Amazonas. Não se tem informações sobre fugitivos ou feridos, até o momento.

São 30 presos no local que pertencem à facção PCC que serão transferidos para o presídio de Raimundo Vidal Pessoa, também em Manaus, na tentativa de estancar o conflito. “Foi desencadeada uma guerra e é o povo que sofre”, disse o membro do conselho da OAB. “São 220 foragidos na cidade de Manaus, é o caos”, disse.

O CDPM tem capacidade para 568 presos, mas enfrenta uma superlotação de 176%, totalizando 1.568 internos, de acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).

O novo motim organizado em Manaus é realizado horas depois do fim da rebelião que gerou 55 mortes e durou mais de 17 horas, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).