Manifestação a favor de “rolezinhos” causa fechamento de shopping em São Paulo

  • Por Agencia Brasil
  • 18/01/2014 16h46
SÃO PAULO,SP,18.01.2014: ROLEZINHO/JK IGUATEMI - Rolé contra o racismo realizado no Shopping JK Iguatemi, na zona sul de São Paulo, SP, neste sábado (18). (Foto: Adriano Lima/Brazil Photo Press/Folhapress)Rolezinho social em protesto contra proibição da Justiça em frente ao JK Iguatemi

Bruno Bocchini

Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Uma manifestação a favor dos “rolezinhos” e contra o racismo causou o fechamento do Shopping JK Iguatemi, na zona Sul de São Paulo. O shopping funcionava normalmente até o momento em que os manifestantes chegaram em frente ao estabelecimento.

Todas as portas do centro comercial foram fechadas, impedindo, inclusive, a saída das pessoas que estavam no interior do prédio. Também não era autorizada a entrada de clientes, logistas e funcionários. Não havia a presença da polícia, apenas do corpo de seguranças do estabelecimento.

Alguns manifestantes, que não portavam bandeiras e nem instrumentos musicais, chegaram a pedir aos seguranças autorização para entrar no prédio, o que foi negado.

Um grupo de advogados das entidades que participam do ato foi à delegacia policial mais próxima para fazer um boletim de ocorrência. Eles alegam que as pessoas passaram por constrangimento ilegal e que o shopping cometeu crime de racismo.

“Qual o crime que essas pessoas cometeram, o crime de vir ao shopping? Para mim está caracterizado o crime de racismo”, disse o advogado Eliseu Soares Lopez.

“Os shoppings agora se equiparam as universidades, porque a universidade seleciona que o branco entra e o preto não. Os shoppings se equiparam a polícia, porque ela haje de uma forma com o branco e de outra com o negro”, acrescentou.

Na porta do estabelecimento, os manifestantes permaneciam reunidos. Eles falavam palavras de ordem como “racistas, não passarão”, e “abaixo o apartheid”.

 

Edição: Aécio Amado

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil