“Marginal não nos liga à Europa”, ironiza procurador sobre redução de velocidade

  • Por Jovem Pan
  • 30/07/2015 16h07
SÃO PAULO, SP, 13.09.2011: TRÂNSITO/MARGINAL PINHEIROS - Trânsito na Marginal Pinheiros, sentido Interlagos na altura na Ponte do Morumbi na manhã desta terça-feira,a na zona sul da capital. (Foto: Rahel Patrasso/Frame/Folhapress)marginal pinheiros

O procurador-geral de Justiça do Estado ironizou a prefeitura e declarou que as marginais de São Paulo não estão ligadas à Europa.

Márcio Elias Rosa se referiu à justificativa da gestão Haddad de que a redução de velocidade em vias expressas de Londres ajudou a diminuir o número de acidentes.

O Ministério Público criou uma equipe de trabalho para discutir o assunto e não descartou a possibilidade de entrar com uma ação civil.

O procurador-geral de Justiça do Estado cogitou ainda a possibilidade de apoiar a OAB que já ingressou contra a mudança nas marginais.

“Essa decisão só pode ser baseada em dados técnicos. Nós sabemos que as marginais representam locais de intenso trânsito, mas mais do que isso de uma grande vulnerabilidade. Mas se essa decisão está correta ou não é o que o Ministério Público deseja saber. Para, se for o caso, ou ajuiza a ação civil pública ou se associa à ação que a OAB já promove. Nós não vivemos em Londres, em Paris. A Marginal não nos liga à Europa”, disse.

O procurador-geral de Justiça do Estado, Márcio Elias Rosa, reafirmou, no entanto, ser contra “judicializar” o debate sobre as marginais.

Desde o dia 20, a velocidade na pista expressa caiu de 90 km/h para 70 km/h e na local era 70 km/h e passa para 50 km/h.