Médicos de China e EUA desenvolvem tratamento contra o vírus MERS

  • Por Agência EFE
  • 15/06/2015 14h55
A woman wearing masks to prevent contracting Middle East Respiratory Syndrome (MERS) uses her mobile phone at Myeongdong shopping district in central Seoul, South Korea June 3, 2015. South Korea confirmed five more cases of the Middle East Respiratory Syndrome (MERS) virus, the health ministry said early on Wednesday, bringing to 30 the total number of cases in the country of the often-deadly illness. REUTERS/Kim Hong-JiMERS

Cientistas de China e Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira (15) o desenvolvimento de um anticorpo para o tratamento da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS na sigla em inglês), que na Coreia do Sul já contaminou 150 pessoas e causou 16 mortes.

O anticorpo foi isolado por especialistas da Universidade de Fudan, em Xangai junto a colegas do Instituto de Saúde dos EUA, e os primeiros testes em animais foram “muito efetivos”, informou a agência oficial chinesa “Xinhua”.

Jiang Shibo, líder da equipe de pesquisas em Fudan, afirmou que o anticorpo, batizado como m336, pode neutralizar o vírus MERS – também conhecido como “novo coronavírus” – de forma mais eficaz que outros, especialmente em combinação com um tipo específico de polipéptido.

Na China, foi detectado por enquanto um caso de MERS (um cidadão sul-coreano em viagem de negócios), e foram colocadas em quarentena dezenas de pessoas que tiveram contato com ele, devido ao temor de um contágio.

Desde que foi detectado o primeiro caso da doença, em 2012, na Arábia Saudita, cerca de 1.200 pessoas de 23 países foram confirmadas como portadoras do MERS, e mais de 400 morreram.