Médicos de São Paulo vão ganhar 30% a mais se trabalharem em Taipas, Guaianazes ou São Mateus

  • Por Jovem Pan
  • 07/04/2014 17h00

Os médicos da rede pública do Estado de São Paulo irão ganhar 30% a mais se forem trabalhar em hospitais como Taipas, Guaianazes e São Mateus. O novo teto será de R$ 17.700, mas poderá subir se o profissional tiver mestrado, doutorado ou pós-doutorado.

A lei que foi sancionada nesta segunda-feira estabelece três classes: até dez anos de serviço, de 10 a 20 e acima de 20 anos. Apesar do governador Geraldo Alckmin não admitir, essa pode ser uma forma de rivalizar com o programa federal Mais Médicos.

“O maior beneficiado da carreira do médico vai ser a população. Atendida por bons médicos, bem formados, remunerados dignamente e com uma gratificação de acordo com a localidade do hospital ou do serviço médico. Então, nas regiões mais distantes, de mais difícil acesso, ele terá 30% a mais de gratificação, podendo chegar a 44% se tiver também mestrado e doutorado”, explicou.

Alckmin ainda autorizou a abertura de 600 vagas de residência médica. O secretário estadual da saúde, Davi Uipi, cita como exemplo a falta de profissionais na zona leste da cidade e avalia que a lei ameniza o problema.

“Muitos médicos residentes assumem a vaga à posição dos hospitais e desistem. Têm alguns que estão desistindo, inclusive, de mais de uma vaga da residência. Provavelmente, em busca de uma remuneração maior, o que nós não aconselhamos. Nós entendemos que a residência médica é fundamental na formação de todo profissional da área médica. Nós perdemos, no último ano, 260 médicos na zona leste. Isso dificultou e é por conta desses problemas que nós estamos com a nova lei, que na minha leitura, resolve, pelo menos em grande parte, essa problemática”, contou.

Questionado se a ação rivaliza com o programa Mais Médicos, o secretário ressaltou que são programas diferentes.