“Menina deusa” sobrevive e protege família de terremoto que devastou o Nepal

  • Por Agencia EFE
  • 01/05/2015 03h53

Katmandu, 1 mai (EFE).- A “menina deusa” do Nepal, conhecida como “Kumari”, sobreviveu e protegeu sua família do terremoto magnitude 7,8 que no último sábado devastou o país e que, segundo o último balanço oficial de vítimas, causou 6.204 mortes e 13.932 feridos.

“Ela tinha os olhos fechados, como se estivesse em transe e nos disse que nada aconteceria durante o tremor”, afirmou Ramesh Bajracharya, pai de Yunika, “kumari” de apenas 7 anos, de acordo com a edição desta sexta-feira da revista local “Nepali Times”.

A “menina deusa” e sua família estavam em casa quando o terremoto começou a sacudir o imóvel, localizado na região histórica da cidade de Patan, no Vale de Katmandu, onde vários templos proclamados como patrimônio histórico da Unesco foram destruídos.

Superado o pânico inicial, o pai da “kumari” se tranquilizou depois de filha assegurar que nada aconteceria com a família, pois “graças a sua fé, todos estavam a salvo naquele quarto”.

O tremor foi seguido de mais de 100 réplicas, responsáveis por derrubar importantes edifícios de Patan e da própria capital do país, mas o templo da “kumari” permaneceu intacto.

“Nenhuma telha se soltou”, disse Ramesh.

As “kumaris” são meninas reverenciadas tanto por hindus como por budistas no Nepal até atingirem a puberdade, momento no qual são substituídas por outras divindades vivas. O processo de seleção se baseia em mais de 30 virtudes que elas devem possuir, como a beleza ou, por exemplo, terem comportamento reservado.

A tradição começou no século XVII. Desde então, as “kumaris” são consideradas protetoras do país, apesar de seu “poder divino” não ter conseguido deter os efeitos do terremoto, que devastou a parte central do Nepal, onde está o Vale de Katmandu.

O número de mortes após a tragédia chegou nesta sexta-feira a 6.204, e o de feridos, a 13.932, apesar de os dados ainda estarem longe do total de vítimas, já que as autoridades desconhecem o impacto do tremor em regiões mais remotas.

O terremoto forçou, além disso, cerca de 2,8 milhões de pessoas a deixarem suas casas em um país com uma população total de 28 milhões de pessoas, conforme a ONU, que garante que pelo menos 130 mil casas ficaram totalmente destruídas e 86 mil foram parcialmente danificadas.

O tremor foi o de maior magnitude no Nepal em 80 anos e o pior na região em uma década desde 2005, quando outro terremoto deixou mais de 84 mil mortos na Caxemira. EFE