Merkel afirma que corresponde à May marcar futura relação entre Londres e UE

  • Por EFE
  • 12/07/2016 12h58
Nesta segunda (7)Chanceler alemã Angela Merkel durante entrevista coletiva após reunião com líderes europeus

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse, nesta terça-feira (12), que corresponde à futura primeira-ministra britânica, Theresa May, marcar o caminho para a relação vindoura do Reino Unido com a União Europeia (UE) e insistiu que não haverá negociação a respeito até que Londres formalize seu pedido para a saída do país do bloco comunitário.

A mudança no poder na Grã-Bretanha fará com que o país insular adote, além disso, as medidas oportunas para a “invocação do artigo 50 do Tratado de Lisboa”, necessário para que seja formalizado o pedido de saída desse país de Bruxelas, lembrou Merkel, em um comparecimento com o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny.

“Vemos com bons olhos que tenha acelerado a mudança no poder”, apontou, por sua parte, o chefe do governo de Dublin, já que isso favorece que o Reino Unido passe à “fase ativa” e invoque esse artigo, que regula a saída de um país do bloco.

Merkel mostrou sua compreensão com a “especial preocupação” irlandesa para a materialização dessa saída dadas as “relações específicas” entre Irlanda e Reino Unido, “temos sólidas relações comerciais com o Reino Unido e que por certamente aspiramos manter”, referiu a estadista germânica, para acrescentar que esse é também o “desejo partilhado” pelos 27 demais Estados da União e “certamente muito especialmente a Irlanda”.

“A decisão sobre como será a relação de Londres com a UE cabe a seu governo”, insistiu a chanceler, para enfatizar que tudo depende de quando os britânicos formalizarem seu pedido, já que, antes disso, não pode haver negociação.

Já Kenny advertiu que “permanecer no mercado comum tem um preço” e que, para que a Grã-Bretanha o alcance, deve garantir que será mantido o preceito da livre circulação de cidadãos e mercadorias quando deixar de ser membro do parlamento de Bruxelas.