Milhares de pessoas exigem renúncia do presidente e do governo da Moldávia

  • Por Agencia EFE
  • 13/09/2015 23h20

Moscou, 13 set (EFE).- Milhares de pessoas se manifestaram neste domingo no centro de Chisinau para exigir a renúncia do presidente da Moldávia, Nicolae Timofti, do governo liderado pelo primeiro-ministro, Valeriu Strelet, e de outras autoridades dessa antiga república soviética encravada entre Ucrânia e Romênia.

“Hoje vamos aumentar a pressão sobre as autoridades. Aos protestos se somaram pessoas de todos os cantos do país”, disse à agência russa “RIA Novosti” Andrei Nestase, ativista da plataforma cidadã DA (Dignidade e Justiça), organizadora da manifestação,

Nestase acrescentou que o protesto ininterrupto que começou no domingo passado não cessará até que se cumpram todas as exigências da DA, que incluem pleitos parlamentares antecipados e a eleição por votação direta do chefe do Estado, que, segundo a atual Constituição, é eleito pelo parlamento.

Os manifestantes instalaram mais de 300 barracas de campanha em frente à sede do gabinete de ministros.

Os protestos da DA começaram depois que as autoridades reconheceram o roubo de US$ 2 bilhões de três bancos moldávios aos quais o Estado concedeu numerosos créditos.

Depois que os três bancos, integrados em um mesmo grupo, dilapidaram US$ 1 bilhão entre 2012 e 2013, segundo a DA, o governo do então primeiro-ministro, Iurie Leanca, assinou um decreto secreto para emprestá-los outro US$ 1 bilhão.

A plataforma DA, que abrange todo o espectro político, inclusive partidários da unificação da Moldávia com a Romênia, considera que as atuais autoridades do país estão submetidas a grupos oligárquicos.

O primeiro-ministro moldávio advertiu esta semana que a renúncia do Executivo e a dissolução de parlamento podem desestabilizar perigosamente a situação e, inclusive, provocar o colapso do país. EFE