Ministério Público investigará denúncia de estupros em Pedrinhas

  • Por Agencia EFE
  • 15/01/2014 18h06

São Paulo, 15 jan (EFE).- O Ministério Público do Maranhão investigará as denúncias de violência sexual contra as mulheres dos detentos da prisão de Pedrinhas, e deu dez dias para os diretores desta e de outras prisões da região metropolitana de São Luís onde aconteceram as denúncias se pronunciem, divulgou nesta quarta-feira.

A promotoria também quer saber se as unidades contam com local específico para que os presos recebam visitas íntimas.

A decisão do Ministério Público é uma resposta às matérias “amplamente divulgadas” na imprensa sobre estupros praticados dentro das prisões após o relatório realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

“Irmãs e filhas dos presos que não estão vinculados às facções criminosas que dominam os presídios estariam sendo obrigadas a manter relações sexuais com os chefes das quadrilhas durante as visitas coletivas” denunciou o CNJ.

Aos supostos estupros se somam várias denúncias sobre a situação dos presos no interior das celas do estado, onde em 2013 morreram 62 detentos, e a divulgação de um vídeo em que podem ser vistos vários presos decapitados.

A crise carcerária se acentuou há algumas semanas quando a onda de violência se estendeu até as ruas do Maranhão. De dentro da prisão, os líderes ordenaram incendiar vários ônibus do transporte público da capital, uma ação que matou uma menina de seis anos.

Diante de toda esta situação, a ONU pediu de Genebra uma investigação “imediata, imparcial e efetiva” sobre a violência nos centros penitenciários do estado do Maranhão. EFE