Ministros do Eurogrupo aprovam ajuda bilionária para Grécia

  • Por Agência Brasil
  • 14/08/2015 18h21
People sit under a Greek national flag atop the Acropolis hill archaeological site in Athens, Greece June 22, 2015. Tourists exploring the antique sites of Athens on Monday said they weren't sufficiently worried about Greece's debt crisis to stock up on extra money, despite warnings by some travel groups that bank dispensing machines could shut. But the bumpy bus rides past near-daily street protests were a reminder that they were visiting a country in trouble. REUTERS/Alkis KonstantinidisGrécia bandeira

Após seis horas reunidos, os 19 ministros das Finanças do Eurogrupo decidiram nesta sexta-feira (14) conceder 86 bilhões de euros para recuperar a economia grega e impedir que o país saia da zona do Euro. É o terceiro pacote de ajuda em cinco anos.

O próximo passo é a ratificação do acordo pelo parlamento europeu na próxima quarta-feira (19), necessária para liberar os primeiros 16 bilhões de euros. Parte do dinheiro cobrirá o pagamento do empréstimo feito pelos credores em julho, para que a Grécia pudesse acertar as contas com o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional. Outros 3,2 bilhões servirão para liquidar uma dívida com o banco, cujo prazo para pagamento vence na próxima quinta-feira (20).

A disposição do fundo monetário em participar do acordo, que ainda não estava clara, foi confirmada pelo presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, e deve acontecer em outubro. “É um apoio indispensável”, disse ele. Mas está condicionado à capacidade do governo grego de implementar as medidas previstas no acordo, como a reforma no sistema de aposentadoria, e à disposição do Eurogrupo em oferecer um alívio à dívida grega.

Em anúncio divulgado logo após o resultado da reunião, a chefe do fundo, Christine Lagarde, disse que o órgão espera trabalhar em conjunto com o governo grego e os parceiros europeus nos próximos meses “para colocar em prática todos os elementos necessários para considerar novo apoio financeiro”.

O ministro das finanças alemão, Wolfgang Schauble, que sempre teve uma visão crítica diante de um novo empréstimo bilionário à Grécia, disse estar confiante de que os membros do Eurogrupo encontrarão um “caminho comum para atingir a sustentabilidade da dívida grega”.