Miss Honduras Mundo e irmã são enterradas, e parentes e amigos pedem justiça

  • Por Agencia EFE
  • 20/11/2014 18h23

Tegucigalpa, 20 nov (EFE).- Os corpos da Miss Honduras Mundo María José Alvarado e de sua irmã Sofía Trinidad, encontradas mortas ontem, foram enterrados nesta quinta-feira diante da família e amigos, que condenaram o episódio e exigiram justiça, enquanto as autoridades anunciaram a captura de mais três pessoas supostamente envolvidas no crime.

“Minhas irmãs foram sempre mulheres honestas e alegres”, disse Corina Alvarado, irmã mais velha das jovens, ao agradecer à população hondurenha pelas diversas demonstrações de solidariedade.

María José e Sofía Trinidad, de 19 e 22 anos, desapareceram no dia 13 de novembro na cidade de Santa Bárbara, no ocidente de Honduras, para onde a miss viajou para comparecer ao aniversário do namorado de sua irmã que, segundo as autoridades, é o autor do crime.

“Te perdoo, Sofía, por ter levado María José a essa festa onde morreram”, disse a mãe, Teresa Muñoz, enquanto chorava diante dos caixões das filhas.

Os corpos das irmãs Alvarado foram encontrados na quarta-feira “enterrados” em uma parte do povoado de Cablotales, na cidade de Santa Bárbara, e depois foram submetidos a uma autópsia em Tegucigalpa.

“Vou sentir muita falta das minhas irmãs, amo as duas com todo o meu coração e só Deus poderá dar a estas pessoas (assassinos) que o que merecem”, disse Corina minutos antes do enterro das jovens. A avó das irmãs Alvarado, Sotera Rivera, pediu “justiça”.

Durante o sepultamento houve momentos comoventes por parte de parentes e amigos de ambas as jovens, que também pediram punições para os autores do crime.

As autoridades de segurança hondurenhas acreditam que ambas foram assassinadas pelo namorado de Sofía Trinidad, identificado como Plutarco Antonio Ruiz Rodríguez, que foi detido na terça-feira junto a Aris Maldonado Mejía, e nesta quinta-feira poderiam ser encaminhados à prisão.

A polícia prendeu nas últimas horas mais três pessoas supostamente envolvidas no crime da Miss Honduras Mundo e sua irmã, afirmou o ministro hondurenho de Segurança, Arturo Currais.

Ventura Díaz, proprietário de um negócio em Santa Bárbara, onde as irmãs Alvarado compareceram a uma festa de aniversário de Ruiz Rodríguez, e sua esposa, Elizabeth Alvarado, assim como outro homem, não identificado, foram presos na quarta-feira, segundo disse Currais à agência local.

O desconhecido “colaborou em levar às meninas” até o lugar onde foram enterradas, afirmou o funcionário, que não especificou as acusações a Díaz e à sua esposa.

O diretor de Investigação Criminal, Leandro Osorio, indicou que as investigações neste caso “estão aumentando” e disse que não descarta a possibilidade que haja mais pessoas envolvidas no assassinato.

O crime contra a miss e sua irmã comoveu Honduras, que novamente exige o término da violência que tira a vida de aproximadamente 14 pessoas no país diariamente.

O Comissário dos Direitos Humanos, Roberto Herrera, repudiou o assassinato e expressou solidariedade com a família das irmãs Alvarado.

Em comunicado, Herrera afirmou que “continuará a monitorar” para que o crime de ambas as jovens “não fique impune”.

O organizador de concursos de beleza Eduardo Zablah lamentou não poder assistir ao funeral das duas jovens nesta quinta-feira e se disse “muito triste e angustiado”.

“Ficamos sentimos muito tristes e estamos apoiando à distância a dona Teresa (mãe das irmãs Alvarado). Dissemos que ela não está só, María José sempre estará conosco”, disse Zablah em entrevista à imprensa local.

A miss deveria seguir rumo a Londres para a disputa do Miss Mundo em dezembro. Os organizadores do concurso anunciaram que realizarão uma evento especial com todas as participantes para homenagear as jovens neste domingo. EFE