Moldávia mostra tendência de aproximação com a Rússia após pleito parlamentar

  • Por Agencia EFE
  • 30/11/2014 22h10

Moscou, 1 dez (EFE).- A Moldávia deu um grande passo atrás em sua integração europeia ao dar a vitória eleitoral nas eleições parlamentares realizados neste domingo a dois partidos que defendem a aproximação com a Rússia e põem em dúvida o futuro do Acordo de Associação com a União Europeia (UE) assinado este ano.

Com 62% da apuração realizada, o até agora insignificante Partido Socialista (PS) colheu 21,82% dos votos e se tornou a primeira força política do país.

Embora o europeísta Partido Liberal Democrático, do primeiro-ministro Iurie Leanca, tenha ficado como a segunda maior legenda com mais votos, graças ao apoio de 18,63% dos eleitores, seus parceiros no atual Governo não conseguem somar o apoio necessário para reeditar o pacto.

Os três partidos do pacto europeísta que governou a Moldávia desde 2009, responsáveis por assinar o Acordo de Associação, conseguiram pouco mais de 40% dos votos, inclusive após colocar o pleito como um plebiscito para o rumo europeu tomado pelo país sob seu mandato.

O Partido Democrático obtém 16,55% dos votos, enquanto os ultranacionalistas do Partido Liberal, que defendiam a reunificação da Moldávia com a vizinha Romênia, se transforma na quinta e última força política no Legislativo com 7,58% das cédulas.

O grande derrotado desta eleição é o Partido Comunista, do ex-presidente Vladimir Voronin, que perde sua histórica condição de maior força política do país ao ficar com apenas 19,18% dos votos.

A nova maioria parlamentar que sair do pleito, no caso de fechar um pacto, deverá escolher o chefe de Estado, que no peculiar sistema eleitoral moldávio deve ser votado por pelo menos três quintos da Câmara, ou seja, 61 legisladores.

Os deputados podem realizar unicamente duas votações para escolher o presidente, e em caso de não consegui-lo se dissolve o Legislativo e se convocam novas eleições. EFE