Motorista de Sócrates passará para regime de prisão domiciliar

  • Por Agencia EFE
  • 20/12/2014 10h29

Lisboa, 20 dez (EFE).- O motorista do ex-primeiro-ministro português José Sócrates, João Perna, deixará a prisão após três semanas detido e passará para um regime de prisão domiciliar.

O advogado de Perna, Ricardo Candeias, afirmou que estava “feliz e satisfeito” porque seu cliente poderá “possivelmente passar o Natal em casa”.

A promotoria concordou com sua libertação na sexta-feira, e agora só falta o sinal verde do juiz Carlos Alexandre, que determinou que a casa do motorista seja vistoriada para saber se cumpre com as condições necessárias.

Ontem, o motorista voltou a ser interrogado pelo promotor que investiga a Operação Marquês.

Perna está preso desde 25 de novembro, assim como Sócrates, embora em um local diferente, a mesma penitenciária onde continua detido o empresário Carlos Santos Silva, amigo pessoal do antigo líder do Partido Socialista luso.

O quarto acusado no caso é o advogado Gonçalo Trindade Ferreira, a quem foi concedida liberdade provisória.

O advogado do motorista entregou na terça-feira um recurso para o tribunal para obter a libertação imediata de seu cliente, acusado dos delitos de fraude fiscal, lavagem de dinheiro e posse ilegal de uma arma.

Na sua opinião, João Perna foi “vítima das circunstâncias” e só está em prisão “por ser o motorista de quem é”.

Vazamentos sobre o caso publicadas pela imprensa portuguesa apontam o motorista como o responsável por transportar malas com dinheiro de Lisboa até Paris, cidade onde Socrátes estabeleceu residência após perder as eleições legislativas de 2011.

A Operação Marquês tem sua origem na “comunicação de instituição financeira” que permitiu detectar “operações bancárias, movimentos e transferências de dinheiro sem justificativa”, com Sócrates entre os envolvidos. EFE