MP diz que está em fase de “investigação e diálogo” com a prefeitura sobre redução da velocidade nas marginais

  • Por Jovem Pan
  • 30/07/2015 12h01
SÃO PAULO,SP,20.07.2015:TRÂNSITO-SP - Trânsito na Marginal Tietê, sentido Castelo Branco, visto da ponte da Vila Guilherme, em São Paulo (SP), na manhã desta segunda-feira (20). Os novos limites de velocidade passam a valer a partir de hoje nas marginais dos rios Tietê e Pinheiros. Dezoito pontos com radares vão fiscalizar a aplicação dos novos limites de velocidade ao longo dos 90 km de extensão das duas marginais, considerados os dois sentidos. (Foto: Rogerio Cavalheiro/Futura Press/Folhapress)Marginal Tietê

Depois de ação da Ordem dos Advogados do Brasil, o Ministério Público abriu investigação para apurar a redução da velocidade das marginais do rio Pinheiros e Tietê em São Paulo. “Se essa decisão está correta ou não, é que o MP deseja saber para, se for o caso, ou juíza a ação civil pública ou se associa à ação que a OAB já promove”, contou o Procurador-Geral de Justiça de São Paulo, Dr. Márcio Elias Rosa, em entrevista à Jovem Pan nesta quinta-feira (30).

De acordo com ele, a questão não pode ser vista isoladamente. “É preciso que se assegure a mobilidade com segurança, e essa decisão só pode ser baseada em dados técnicos”, explicou ao se referir à apuração como “fase de investigação e diálogo”.

Um dos argumentos da prefeitura é que grandes capitais europeias já adotam há tempo baixa velocidade em movimentadas vias públicas, no entanto, o procurador refutou essa ideia. “Pode ser o começo da conversa, o ponto de partida, mas não pode ser decisivo para nada porque nós não vivemos em Londres ou Paris”, e concluiu, “a marginal não nos liga à Europa, estamos falando do Brasil, estamos falando de São Paulo com as suas características”.

Na pista expressa, o limite máximo permitido passou de 90 para 70km/h; na pista central, caiu de 70 para 60 km/h. Nas vias locais das duas marginais, os condutores estão proibidos de andar a mais de 50 km/h.