Mulher confessa ter matado filho a facadas em SP; parentes falam em homofobia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 12/01/2017 14h07
Família em primeiro lugar

A Polícia Civil de Cravinhos, no interior de São Paulo, prendeu nesta quarta-feira, 10, um casal suspeito de ter matado o filho de 17 anos. Itaberlly Lozano foi morto a facadas e teve seu corpo queimado em um canavial na zona rural da cidade.

Policiais acreditam que a morte tenha ocorrido em 29 de dezembro, apesar de seu corpo ter sido encontrado dias depois. O desaparecimento foi relatado na semana passada pela avó do rapaz, e ele foi reconhecido graças uma pulseira que estava ao lado do corpo carbonizado.

A mãe do jovem, Tatiana Lozano, que é gerente de um supermercado, confessou o crime e disse ter matado o filho a facadas durante uma briga. Isso porque ele teria ameaçado a família e estaria usando drogas. Já familiares disseram à polícia acreditar que o crime tenha motivação homofóbica – a vítima era gay.

Após a morte, o marido dela e padrasto do rapaz, Alex Pereira, teriam levado o corpo para o canavial ao lado da Rodovia José Fregonesi e queimado. Segundo a mulher, ele e o filho do casal – um menino de 4 anos – não teriam presenciado a morte.

Para a polícia, no entanto, o casal teria participado junto do crime e, por isso, os dois foram autuados por homicídio duplamente qualificado, com agravantes, e ocultação de cadáver. Duas facas foram apreendidas. Os acusados não tinham passagem pela polícia.

O advogado do casal, Fabiano Ravagnani Júnior, informou que pedirá a liberdade dos clientes. A alegação é de que a mãe agiu em legítima defesa e sob forte emoção. Já o padrasto estaria dormindo e não teria visto o crime.

Repercussão

“Família em primeiro lugar”, comentou nas redes sociais o jovem Itaberlly Lozano nas fotos que postou ao lado da mãe, do padrasto e do irmão tiradas no último Natal, dias antes de ser assassinado. Sua morte gerou comoção na cidade.