Afeganistão: Atentado talibã contra órgão do governo deixa 14 mortos e 63 feridos

O principal porta-voz dos talibãs informou que o grupo é responsável pela ação; o ato teria sido uma retaliação contra “crimes recentes” cometidos pela Direção Nacional de Segurança no norte do país

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2020 10h27 - Atualizado em 13/07/2020 10h29
EFEO representante da administração provincial informou que todos os mortos eram pessoas que trabalhavam no órgão governamental

Um atentado realizado próximo a uma das sedes da principal agência de inteligência do Afeganistão, realizado nesta segunda-feira (13) e reivindicado pelos talibãs, deixou ao menos 14 mortos e 63 feridos. A ação aconteceu na cidade de Aybak, na província de Samangan, localizada no norte do país, nos arredores do escritório regional da Direção Nacional de Segurança (NDS).

“Uma explosão, relativamente forte, causada por um carro bomba, aconteceu na cidade nesta manhã”, relatou Sediq Azizi, porta-voz do governador de Samangan. O representante da administração provincial informou que todos os mortos eram pessoas que trabalhavam no órgão governamental. “Dois dos feridos estão em estado grave e foram enviados para a província vizinha de Balkh, para serem atendidos. O restante dos 61 pacientes, entre eles duas crianças e uma mulher, permanecem estáveis”, disse Azizi.

Uma fonte anônima, ligada às autoridades de segurança da província, relatou que o ataque começou com a detonação de um veículo próximo a entrada do local. Em seguida, diversos terroristas entraram em confronto com militares.

O principal porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, se manifestou por meio de um comunicado, informando que o grupo era responsável pela ação. Segundo ele, o ato foi uma retaliação contra a Direção Nacional de Segurança, que seria responsável por vários “crimes recentes” no norte do Afeganistão. Mujahid explicou ainda que houve um forte confronto na área do atentado e que 70 agentes da agência de inteligência governamental foram mortos ou feridos.

Esse foi o primeiro ataque de grande magnitude realizado pelos talibãs em uma capital de província, após o acordado um cessar-fogo de três dias por causa do fim do Ramadã. Além disso, a ação ocorre em meio a tentativa do governo afegão e dos talibãs de dar início à novas negociações no Catar.

*Com informações da EFE