Bolívia rompe com Maduro e anuncia saída de médicos cubanos

  • Por Jovem Pan
  • 15/11/2019 17h29
EFE/ Rodrigo SuraApós renúncia de Evo Morales no último domingo (10), a senadora Jeanine Añez se declarou presidente interina do país

A nova ministra das Relações Exteriores da Bolívia, Karen Longaric, anunciou nesta sexta-feira (15) que o país rompeu relações com o governo de Nicolás Maduro na Venezuela, vai se retirar da União de Nações sul-americanas (Unasul) e da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba) e determinará a saída de médicos cubanos.

Os anúncios podem ser entendidos como uma mudança de 180 graus em relação à política exterior empregada por quase 14 anos pelo ex-presidente Evo Morales.

A ministra disse, em coletiva de imprensa, que a Bolívia deixará a Unasul porque, na verdade, o “o bloco não funciona mais, já não existe e não serve”. “Não somos mais a Alba”, disse, sem maiores explicações, acrescentando que o embaixador venezuelano na Bolívia será declarado persona non grata.

A presidente interina, Jeanine Áñez, já havia antecipado que seu governo de transição reconheceria o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e tinha pedido que ele enviasse um embaixador à Bolívia.

A ministra das Relações Exteriores disse também que o novo governo boliviano enviou uma queixa ao México por “pronunciamentos hostis” que o ex-presidente Morales faz desde que se exilou em solo mexicano.

*Com Estadão Conteúdo