Chefe de equipe da ONU deixa o Iêmen após seu comboio ser alvo de disparos

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2019 15h02
EFE - YAHYA ARHABPaís vive guerra civil há três anos, quando disputas internas oriundas da Primavera Árabe escalaram

Patrick Cammaert, o chefe da equipe da ONU responsável por auxiliar na implementação de um cessar-fogo no Iêmen deixou o país após o comboio em que estava ser alvo de disparos. O ataque aconteceu na cidade portuária da Hodeida, que é controlada pelos rebeldes Huti.

Em guerra civil há três anos, o Iêmen recebeu a visita da equipe das Nações Unidas em 22 de dezembro. O objetivo era validar o acordo de cessar-fogo e acompanhar o recuo de ambas as tropas na região.

Cammaert é um general reformado dos Países Baixos. Ele era responsável por supervisionar o cessar-fogo entre as partes beligerantes, mas não obteve o sucesso esperado e a ONU foi obrigada a recuar.

Poucos dias antes do ataque ao comboio, um porta-voz do movimento Huti acusou Cammaert de ser responsável pela estagnação das negociações na Hodeida, isso porque nenhuma das partes retirou suas tropas do local, violando os termos do cessar-fogo negociados em 13 de dezembro de 2018 na Suécia.

O enviado especial das Nações Unidas para o Iêmen, Martin Griffiths, foi quem garantiu o translado de Cammaert até o aeroporto de Sana. De lá, o general holandês partiu com destino ao Djibouti, país do nordeste africano.

*com informações da EFE