Chuva de fogos e correria: vídeo mostra como começou incêndio que matou mais de 100 pessoas em casamento no Iraque

Ministro do Interior, Abdul Amir al Shammari, anunciou que os serviços de segurança conseguiram deter 14 acusados; uma missa foi realizada em memória das vítimas

  • Por Jovem Pan
  • 02/10/2023 10h58
Reprodução/Twitter/@AlertaMundo_ incêncio em casamento no Iraque Incêndio em festa de casamento no Iraque deixou mais de 100 mortos

Um vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o momento em que o incêndio que deixou mais de cem pessoas mortas e 150 feridos durante um casamento no Iraque começa – foram 114 mortos e 200 feridos. No conteúdo é possível ver que tudo começou durante a dança dos noivos. Fogos de artifício haviam sido acesos no interior do salão. As faíscas gerada por eles acabaram atingindo o teto que imediatamente pegou fogo, levando a correria das pessoas para saírem do local. A fumaça instantaneamente começa a tomar conta do lugar. Essa informação já tinha sido relatada por testemunhas em depoimentos, que disseram que o incêndio no salão de festas de Qaraqosh se propagou a uma velocidade assombrosa. Segundo o ministério do interior, quase 900 convidados estavam no local. Além de um número insuficiente de saídas de emergência, a Defesa Civil denunciou o uso no local de painéis pré-fabricados “altamente inflamáveis e contrários às normas de segurança”, que incendiaram rapidamente em contato com os fogos de artifício da festa.

Na quinta-feira, 28, dezenas de fiéis compareceram a uma missa em Qaraqosh em memória das vítimas do incêndio. As fotos das vítimas – homens, mulheres e crianças de todas as idades – foram alinhadas na manhã de quinta-feira na Igreja Católica Siríaca de Al Tahira. Ao sair da missa, Najiba Yuhana, 55 anos, falou sobre os parentes desaparecidos. “É uma dor profunda. Uma tragédia que nunca será esquecida”. “Há revolta e tristeza indescritíveis”, acrescentou. No Iraque, as normas de segurança são pouco respeitadas, tanto na área de construção como no setor de transportes. O país, devastado por décadas de conflito, má gestão e corrupção, é cenário frequente de incêndios ou acidentes domésticos fatais.

 

O primeiro-ministro do Iraque, Mohammed Shia’ Al Sudani, pediu penas máximas aos responsáveis pelo local. Em um comunicado de seu gabinete, Al Sudani “ordenou que fossem impostas as penas máximas aos que foram negligentes no incêndio em Al Hamdaniya” e reiterou a sua diretiva para continuar inspecionando edifícios públicos, salões de eventos, restaurantes e hotéis com o objetivo de “examinar as condições de segurança pública, precauções e medidas para prevenir incêndios e possíveis acidentes”. O ministro do Interior, Abdul Amir al Shammari, anunciou os serviços de segurança “conseguiram deter 14 acusados, incluindo 10 trabalhadores, o proprietário do salão e três envolvidos no lançamento dos fogos de artifício”.

*Com informações das agências internacionais

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.