‘Coletes amarelos’ protestam na França contra governo Macron

  • Por Jovem Pan
  • 12/01/2019 13h36
EFEEste é o 9º fim de semana consecutivo de protestos contra o governo do presidente Emmanuel Macron

Milhares de manifestantes vestindo “coletes amarelos” se concentram em diferentes pontos da França neste sábado (12), especialmente em Paris e Bourges, no centro do país, para o 9º fim de semana consecutivo de protestos contra o governo do presidente Emmanuel Macron.

Com medo de novos episódios de violência, o Ministério do Interior voltou a aumentar o dispositivo policial, com 80 mil agentes mobilizados em todo o país – 5 mil deles em Paris, segundo a agência Efe.

Depois da trégua natalina, cerca de 50 mil “coletes amarelos” já se manifestaram na semana passada e houve registro de incidentes violentos. A polícia teme que neste sábado haja um aumento na mobilização dos manifestantes.

Em Paris, vários manifestantes se concentraram em frente ao Ministério de Economia, em Bercy. A polícia controlava as bolsas e mochilas dos manifestantes que chegavam à região e, até o início da manhã, não houve registro de tumulto.

A Champs-Élysées, palco de confrontos em dezembro, foi fechada foi fechada preventivamente. O tráfego também foi interrompido em diversas ruas no entorno da Praça da República e da Estação do Norte.

A cidade de Bourges, no centro do país, foi escolhida para concentração dos “coletes amarelos” para facilitar a participação de manifestantes que vierem de outras províncias.

O vice-ministro do Interior, Laurent Nunez, prometeu “tolerância zero” contra os desordeiros, em mensagem do Twitter. “Se houver confusão, aqui como em toda a França, daremos uma resposta extremamente firme”, afirmou Nunez, que está em Rouen (a cerca de 150 km de Paris).

Manifestações na França

O primeiro protesto, em 17 de novembro, reuniu cerca de 290 mil pessoas. Muitas portavam o colete amarelo fluorescente – item de segurança obrigatório nos veículos franceses -, que acabou virando símbolo da nova onda de protestos.

Desde então, a França enfrentou uma série de bloqueios de rodovias, protestos de motoristas de ambulâncias e manifestações de estudantes secundaristas.

*Com Estadão Conteúdo