Colômbia barra entrada de 10 pessoas próximas de Maduro que tentavam fugir de blecaute na Venezuela

  • Por Jovem Pan
  • 12/03/2019 16h21
EFE Venezuela enfrenta apagão elétrico há quase uma semana

Autoridades da Colômbia impediram a entrada no país de dez pessoas com vínculos familiares com o ditador Nicolás Maduro, da Venezuela, nação que enfrenta dura crise. A informação foi confirmada pelo governo colombiano nesta terça-feira (12).

O grupo tentou passar pela fronteira venezuelana ao norte para chegar a Paraguachón, em La Guarija, na Colômbia. Entre os migrantes, estavam Argimiro Maduro Moran, de 52 anos, primo do presidente, além da esposa e três filhos do casal.

De acordo com o diretor colombiano de migração, Christian Krüger, os venezuelanos disseram que queriam visitar a cidade de Riohacha, capital de La Guajira, e permanecer lá alguns dias até a energia elétrica no país de origem ser normalizada.

Desde a última quinta-feira (7), um blecaute atinge a Venezuela – a capital, Caracas, está parcialmente no escuro. Krüger detalhou que a decisão de não admitir o grupo na Colômbia “foi tomada de maneira soberana e discricionária” por parte da autoridade migratória.

“Não vamos permitir que enquanto o povo da Venezuela morre nos hospitais por apatia, pessoas próximas ao regime de Maduro entrem na Colômbia para passar férias evadindo a realidade de um povo que agoniza”, acrescentou ele em declaração.

Os dez venezuelanos não admitidos fazem parte da lista de mais de 300 pessoas próximas ao governo de Maduro que estão proibidos de entrar ou transitar pela Colômbia. “Este procedimento se deu graças à troca de informações que temos com outros países, que têm a mesma posição da Colômbia em relação ao regime do ditador Maduro.”

Do mesmo forma, Krüger afirmou que a lista de pessoas proibidas “continua crescendo” com base em informações das autoridades colombianas e que quem tiver vínculos com Maduro “não poderá se mover livremente pela região”.

*Com informações do Estadão Conteúdo