Confrontos com a polícia marcam dia de protestos contra e a favor de Maduro na Venezuela

  • Por Jovem Pan
  • 09/03/2019 15h32 - Atualizado em 09/03/2019 15h33
Rayner Peña / EFEManifestações foram convocadas por chavista e pelo líder oposicionista e autoproclamado presidente Juan Guaidó durante a última semana, através das redes sociais

Protestos contra e a favor do regime comandado pelo ditador Nicolás Maduro acontecem neste sábado (9) em várias regiões da Venezuela. Os manifestantes que que pedem a queda do chavista entraram em confronto com a polícia em Caracas.

Os opositores tentavam andar por uma avenida em na capital venezuelana quando foram removidos para a calçada pela polícia em uma tentativa de evitar o motim. De acordo com uma emissora local, uma mulher foi atingida por spray de pimenta.

“A polícia é abusiva mesmo que eles também sofram da mesma calamidade que a gente”, disse a comerciante Lilia Trocel, de 58 anos. “Eu ainda não tenho energia e perdi parte da minha comida”.

As manifestações foram convocadas por Maduro e pelo líder oposicionista e autoproclamado presidente Juan Guaidó durante a última semana, através das redes sociais.  “Seguimos em batalha e vitória frente a permanente e brutal agressão contra o nosso povo. Hoje, mais do que nunca, somos anti-imperialistas. Jamais nos renderemos!”, escreveu o ditador no Twitter. A data é marcada por completar quatro anos desde que os Estados Unidos declararam a Venezuela como uma ameaça para a sua segurança.

A Venezuela atravessa o mais longo apagão em décadas, com várias regiões ainda sem luz. O chavista atribui a falta de energia à sabotagens da oposição e dos EUA. Para Guaidó, no entanto, o blecaute foi provocado por corrupção e improbidade do governo.

Além dos EUA, outros 50 países, incluindo o Brasil, apoiam a campanha de Guaidó de destituir Maduro e convocar novas eleições. O oposicionista é o líder da Assembleia Nacional da Venezuela e se autoproclamou presidente interino.

Com Estadão Conteúdo