Emirados Árabes acusam Catar de interceptar avião comercial

  • Por Jovem Pan com agências
  • 15/01/2018 09h19
EFE/ Noushad Thekkayil À direita, o primeiro-ministro do Catar, sheik Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani, durante inauguração de trem em Doha

Os Emirados Árabes acusaram o Catar de interceptar uma de suas aeronaves comerciais que seguia rumo ao Bahrein no espaço aéreo internacional. Doha se recusou a comentar o incidente, assim como as duas maiores companhias aéreas dos Emirados Árabes

A acusação foi feita por meio de uma reportagem da agência de notícias estatal WAM após duas reclamações do Catar sobre aeronaves militares dos Emirados Árabes violando seu espaço aéreo internacional em meio uma crise diplomática entre Doha e quatro países árabes.

De acordo com a WAM, autoridades da aviação civil receberam “uma mensagem de uma das companhias aéreas dos Emirados Árabes na manhã desta segunda-feira dizendo que um de seus aviões que voava para Manama numa rota normal havia sido interceptado pelo Catar”.

Nem a Emirates nem a Etihad responderam aos pedidos de entrevista.

Reclamação no sábado

No último sábado (13), O Catar denunciou que outro avião militar que voava dos Emirados Árabes Unidos ao Bahrein violou seu espaço aéreo no último dia 3 de janeiro, razão pela qual o emirado enviou uma queixa às Nações Unidas.

Em um comunicado, o Ministério de Relações Exteriores catariano assegurou que a aeronave sobrevoou “a zona econômica especial do estado do Catar, sem autorização prévia das autoridades competentes catarianas”.

O ministério lembrou que já enviou uma queixa à ONU anteriormente sobre outro avião emiradense que violou seu espaço aéreo no último dia 21 de dezembro.

O texto considerou que esta “reiteração” é “uma prova” que as autoridades emiradenses violam as leis internacionais.

O ministro de Relações Exteriores emiradense, Anuar Gargash, negou a denúncia catariana e indicou que essa informação é “incorreta e confusa”.

As tensões entre ambos países surgiram por conta da crise diplomática suscitada no Golfo Pérsico em 5 de junho do ano passado, quando Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein romperam relações com o Catar e impuseram um bloqueio ao emirado.

Os países vizinhos acusaram o pequeno emirado árabe de “apoiar o terrorismo” e exigiram que se afaste do Irã.

Fontes: Estadão Conteúdo via Associated Press e EFE