Espanha já tem mais de 1,3 mil mortos por novo coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2020 11h17
EFE/JUANJO MARTÍNCasos de coronavírus na Espanha aumentaram

A Espanha registra 1.326 mortes pelo novo coronavírus e 24.926 infectadas, confirmou neste sábado (21) o Ministério da Saúde, com 4.946 novos casos e mais 324 vítimas.

Além disso, 1.612 pacientes estão em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 471 a mais que nesta sexta-feira, o que contribui para a saturação desses serviços. Em regiões como a província de Madri, a mais afetada, as UTIs já estão perto de atingir o limite, o que faria com que faltassem leitos. Por outro lado, após dias de pandemia, 2.125 pacientes já se recuperaram, 540 apenas nas últimas 24 horas.

Madri continua sendo a comunidade autônoma mais afetada, com mais 176 mortes nas últimas 24 horas, elevando o total para 804, ou 60% do total para Espanha, enquanto que os casos confirmados ascendem a 8.921, 1.756 a mais que na véspera.

Nos hospitais da província, há 767 pacientes em terapia intensiva, com 86 novos internamentos desde ontem, o que levou esses centros a adaptar todos os espaços possíveis para tais cuidados, como salas de reanimação e salas de operações, que atualmente não são utilizadas devido ao cancelamento de cirurgias não essenciais.

As autoridades sanitárias insistem que o pior da pandemia ainda não chegou e falam da necessidade de manter o confinamento da população e limitar os movimentos aos casos de extrema necessidade ou essenciais para o abastecimento. Por isso, os agentes da lei intensificaram os controles e a imposição de multas para aqueles que violam a ordem de isolamento.

Desde que o estado de alarme foi declarado, há uma semana, as várias forças de segurança apresentaram mais de 31 mil queixas por não cumprimento das regras e prenderam 350 pessoas por desobediência grave, de acordo com dados atualizados do Ministério do Interior.

Neste sábado, a Direção Geral de Trânsito estabeleceu controles nas estradas que saem das grandes cidades para evitar que as pessoas se desloquem para as suas segundas casas.

*Com EFE