EUA: Chefe de polícia de Uvalde é afastado após resposta lenta a tiroteio em escola

Diretor do Departamento de Segurança Pública do Texas disse perante um comitê do Senado que o chefe Pedro Arredondo tomou ‘decisões terríveis’ enquanto o masscare acontecia.

  • Por Jovem Pan
  • 23/06/2022 01h28
REUTERS/Marco Bello tiroteio no texas Tiroteio em escola primária terminou com a morte de 21 pessoas

O chefe de polícia do distrito escolar de Uvalde (Texas, Estados Unidos), Pedro “Pete” Arredondo, foi afastado do cargo após ser alvo de críticas por ter demorado a responder ao tiroteio que matou 19 crianças e dois professores em um colégio da cidade. O chefe do distrito escolar, Hal Harrell, anunciou em um comunicado que colocou Arredondo em licença administrativa e que outro oficial assumirá suas funções. Harrell não explicou por que decidiu afastar Arredondo, mas citou a falta de informações sobre quando podem chegar os resultados da investigação em andamento sobre a resposta da polícia ao tiroteio de 24 de maio na Robb Elementary School em Uvalde. “Devido à falta de clareza que permanece e à falta de uma estimativa sobre quando receberei os resultados da investigação, tomei a decisão de colocar o chefe Arredondo em licença administrativa de maneira efetiva a partir deste dia”, afirmou Harrell. Arredondo e outros policiais do Texas foram fortemente criticados por sua resposta ao tiroteio. O anúncio é feito um dia depois que o diretor do Departamento de Segurança Pública do Texas, Steven McCraw, testemunhou perante um comitê do Senado estadual e disse que Arredondo tomou “decisões terríveis” enquanto o massacre estava ocorrendo.

Segundo McCraw, havia policiais suficientes para responder ao tiroteio apenas três minutos depois que o atirador, Salvador Ramos, entrou na escola por uma porta. No entanto, os policiais armados esperaram no corredor por 77 minutos enquanto o agressor realizava o massacre em duas das salas de aula. O governo dos EUA está investigando a resposta da polícia e ainda não se sabe por que demorou tanto para os policiais confrontarem o agressor. A investigação deverá oferecer mais detalhes sobre a comunicação entre as diferentes forças policiais. Arredondo, que é o chefe da polícia responsável pelas escolas de Uvalde, tentou defender-se recentemente em uma entrevista ao jornal “Texas Tribune”, na qual afirmou não saber que era o responsável pela resposta ao tiroteio e presumiu que outra força policial havia assumido a operação. O tiroteio em Uvalde é o segundo mais mortal em uma escola na última década nos EUA, depois do ocorrido em 2012 na escola Sandy Hook em Newton, Connecticut, onde 26 pessoas morreram.

*Com informações da EFE