EUA não precisam mais importar energia de ‘produtores hostis’, diz Trump em Davos

  • Por Jovem Pan
  • 21/01/2020 09h05
EFETrump também comemorou a assinatura da "fase 1" do acordo comercial com a China, que aconteceu na semana passada

O presidente americano, Donald Trump, afirmou que os Estados Unidos — que já são o maior produtor de petróleo do mundo — não precisam mais importar energia de “produtores hostis”, semanas após a escalada de tensões entre o país e o Irã.

Em discurso no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, Trump afirmou que “encorajamos a Europa” — uma das compradoras do petróleo produzido no Oriente Médio — “a usar a vasta oferta de energia” americana.

Trump também destacou “ótimos” números da economia americana, como a criação de empregos, que segundo ele ultrapassou a meta de dois milhões de novas vagas e chegou a sete milhões, e a queda na taxa de desemprego, que atualmente está perto dos menores níveis em 50 anos.

“Hoje, mostro o modelo da economia americana como um modelo para o mundo”, disse. “Estamos criando uma economia que funciona para todos.”

O republicano também disse encorajar outras nações a seguirem o caminho de “desburocratização” de sua administração. Para cada regra criada, eliminamos oito”, disse, em referência à flexibilização especialmente do mercado de trabalho.

Acordo com a China

Donald Trump disse que a “maior parte” das tarifas comerciais impostas à China vai continuar em vigor durante as negociações da próxima etapa do acordo bilateral, conhecida como “fase 2”, que começarão “muito em breve”.

Trump comemorou a assinatura da “fase 1” do acordo, na semana passada. “Nossa relação com a China neste momento nunca esteve melhor”, destacou.

Ele lembrou que o acordo prevê que a China gaste cerca de US$ 200 bilhões adicionais em bens e serviços americanos, mas apontou que o montante pode chegar a algo próximo de US$ 300 bilhões.

Trump também destacou que os EUA concluíram um “ótimo” acordo comercial com o Japão e estão negociando outro com a Coreia do Sul — além de estarem em tratativas no âmbito do comércio com “muitos outros países”.

“Também estou ansioso para negociar um acordo comercial com o Reino Unido“, disse.

‘Boom econômico’

O presidente americano também afirmou que os Estados Unidos estão “no meio de um boom econômico que o mundo nunca viu antes”. Os “ótimos números” da economia, acrescentou, ocorrem apesar da política monetária do Federal Reserve.

Trump voltou a criticar o Fed por ter elevado juros “muito rápido” ao longo de 2018 e por os cortar “muito devagar” ao longo de 2019, quando a instituição realizou três reduções na taxa dos Fed funds — hoje na faixa entre 1,50% e 1,75%. Para 2020, a expectativa é de manutenção.

O republicano também lembrou que o Fed “obrigou” os EUA a competirem com países com taxas de juros negativas — como no caso da zona do euro. “Eles pagam para emprestar [dinheiro]”, criticou.

*Com informações do Estadão Conteúdo