Governador de Nova York publicará livro sobre sua gestão na pandemia de Covid-19

Andrew Cuomo ganhou popularidade nacional ao diminuir índices de contágio no estado

  • Por Jovem Pan
  • 18/08/2020 18h01
Darren McGee/EFEAndrew Cuomo, governador do estado de Nova York

A editora Crown anunciou nesta terça-feira, 18, que o governador de Nova York, Andrew Cuomo, publicará um livro sobre sua gestão durante a pandemia de Covid-19. A obra será intitulada “American Crisis: Leadership Lessons from the Covid-19 Pandemic” (“Crise americana: lições de liderança da pandemia de Covid-19”, em tradução livre) e tem o lançamento previsto para o dia 13 de outubro. “Atravessamos o inferno, mas aprendemos muito. Nova York passou de ter uma das taxas de Covid-19 mais altas para uma das mais baixas”, comentou o político democrata no Twitter, ao anunciar o livro.

 

Cuomo ganhou popularidade em nível nacional nos primeiros meses da pandemia, quando o estado de Nova York se tornou o maior foco da doença no mundo. O governador foi um dos líderes mais atuantes durante a crise nos Estados Unidos. Essa popularidade veio com entrevistas coletivas diárias e a habilidade para explicar a doença e as medidas que estavam sendo tomadas para combatê-la, além de algumas políticas mais contundentes para frear o avanço dos contágios. No entanto, Cuomo também foi acusado – principalmente pelo Partido Republicano – de demorar muito para agir no início da pandemia e criticado pela forma como geriu a situação dos asilos de idosos, estabelecimentos nos quais morreram milhares de pessoas.

Nova York é o estado dos EUA mais impactado pela pandemia de Covid-19, com cerca de 33 mil das 170 mil mortes já registradas em todo o país, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Andrew Cuomo, de 62 anos, é natural do Queens e se tornou governador em 2011. No ano passado, anunciou a intenção de tentar a reeleição em 2022. Antes de assumir o governo, Cuomo trabalhou como Secretário do Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano nos Estados Unidos (1997 a 2001) e como Procurador Geral de Nova York (2007 a 2010).

*Com Agência EFE