Governadores democratas deixam de exigir uso de máscaras após queda de casos de Covid-19 nos EUA

Decisões dos governos estaduais não estão em sintonia com as recomendações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças

  • Por Jovem Pan
  • 09/02/2022 14h42
EFE/EPA/ANDY RAIN Inglaterra / máscara Estados americanos retiraram obrigatoriedade das máscaras

Vários estados governados por democratas nos Estados Unidos anunciaram que deixarão de exigir o uso de máscaras em ambientes fechados e escolas devido à queda nos casos de Covid-19. O governador da Califórnia, Gavin Newsom, anunciou na segunda-feira, 7, que a partir de 15 de fevereiro, as pessoas vacinadas não precisarão mais usar máscaras em ambientes fechados. “Os casos na Califórnia caíram 65% desde o pico da onda Ômicron. As hospitalizações se estabilizaram no estado”, declarou. O governador de Nova Jersey, Phil Murphy, também anunciou que não será mais obrigatório o uso de máscaras nas escolas para alunos e funcionários a partir de 7 de março. “Não é uma declaração de vitória, mas o reconhecimento de que com responsabilidade, podemos conviver com isso”, disse.

Em Connecticut, o governador Ned Lamont recomendou que as administrações escolares parem de exigir o uso da máscara a partir de 28 de fevereiro. Já em Delaware, John Carney, anunciou que a obrigação do uso de máscara nos ambientes fechados terminará na sexta-feira, mas as escolas devem esperar até 31 de março para implementarem a flexibilização. No Oregon, a exigência também termina em 31 de março. O uso da máscara deu origem a uma batalha política entre governadores democratas, que decretaram o uso obrigatório, enquanto as autoridades republicanas de estados como Texas ou Flórida rejeitavam a medida. As decisões dos governos estaduais não estão em sintonia com as recomendações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), seguidas pelo governo Joe Biden. Os CDC recomendam que as pessoas vacinadas usem máscara em ambientes fechados se estiverem “em uma área significativa ou de alta transmissão”.

*Com informações da AFP