Índia e Rússia assinam acordo para compra de mísseis antiaéreos

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2018 11h59
EFEPutin e Modi chegaram a acordo nesta sexta-feira

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, chegaram nesta sexta-feira a um acordo para a compra de mísseis antiaéreos s-400 de fabricação russa, na 19ª Cúpula Anual entre os dois países, realizada em Nova Délhi, onde destacaram a relação privilegiada entre ambos.

“As partes dão as boas-vindas à assinatura do contrato para o fornecimento do sistema de mísseis terra-ar de longo alcance s-400”, assinalaram os países em comunicado.

A assinatura do contrato de mísseis antiaéreos, avaliado em cerca de US$ 5 bilhões segundo a parte russa, aconteceu entre as ameaças de sanções por parte de Estados Unidos às compras de armamento da Rússia.

No entanto, Rússia e Índia destacaram no comunicado conjunto a importância da “igualdade, do respeito mútuo e da não intervenção” como princípios essenciais nas relações internacionais.

Putin e Modi assinaram durante o encontro oito Memorandos de Entendimento (MOU) em temas como cooperação entre os ministérios das Relações Exteriores de ambos os países, o desenvolvimento de missões espaciais, assim como a criação de infraestruturas, entre outros.

“Sempre é um grande prazer vir à Índia porque sabemos que aqui vamos encontrar um ambiente de amizade sincera e cooperação empresarial”, afirmou Putin após as reuniões bilaterais.

Os dois países decidiram aumentar para US$ 30 bilhões o investimento em ambos os sentidos antes de 2025, disse Putin.

“Neste contexto, nos alegra anunciar que no último ano, o comércio mútuo cresceu 21% superando US$ 9 bilhões”, acrescentou o presidente russo.

Modi destacou as “relações inigualáveis” entre seu país e o Kremlin, às quais a Índia dá “uma prioridade absoluta” em um mundo em transformação.

“Nosso próximo objetivo é enviar um astronauta indiano ao espaço, e me alegra dizer que (Putin) nos assegurou o apoio completo da Rússia”, agradeceu Modi.

*Com informações da Agência EFE.