Injeção mensal contra HIV poderia substituir tratamento diário, diz estudo

  • Por Agência EFE
  • 24/07/2017 11h36
Atualmente, os portadores do HIV devem tomar um comprimido por dia para que o vírus seja indetectável e não seja transmitido, ainda que não seja possível eliminá-lo completamente

Uma injeção mensal de antirretroviral pode ser suficiente para os portadores do vírus da imunodeficiência humana (HIV) manterem a infecção sob controle, em vez de um comprimido por dia, indicou um estudo divulgado nesta segunda-feira na nona edição da Conferência de Investigação sobre o HIV, organizada pela Sociedade Internacional contra a Aids (IAS).

O trabalho, apresentado em Paris (França) pelo cientista da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, Joseph Eron, sugere que os portadores em estado de supressão viral respondem bem às injeções sejam as administradas a cada quatro semanas ou as tomadas a cada oito. Atualmente, os portadores do HIV devem tomar um comprimido por dia para que o vírus seja indetectável e não seja transmitido, ainda que não seja possível eliminá-lo completamente.

“Para alguns soropositivos, um tratamento injetável de longa duração pode ser mais cômodo e menos estigmatizante do que o atual, o que poderia aumentar a taxa de continuidade”, defendem os autores do teste, que já foi experimentado em centenas de pessoas.

De acordo com o vice-presidente da conferência, Jean-François Delfraissy, a devida continuidade do tratamento é fundamental, já que quando interrompida pode provocar aumento da resistência do vírus aos medicamentos, o que é extremamente preocupante.

Segundo dados divulgado pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids) na última semana, 19,5 milhões das 36,7 milhões de pessoas que têm o vírus do HIV no mundo têm acesso ao tratamento.