Irã repudia decisão de Reino Unido de incluir Hezbollah em lista de terroristas

  • Por Jovem Pan
  • 02/03/2019 12h40 - Atualizado em 02/03/2019 12h44
Ali Hashisho/ReutersApoiadores do Hezbollah se manifestam em Beirute após Donald Trump incluir Jawad Nasrallah em lista de terroristas, em novembro de 2018

O Ministério das Relações Exteriores do Irã enviou uma mensagem neste sábado, 2, em resposta à decisão do Reino Unido de colocar o grupo xiita libanês Hezbollah em sua lista de grupos terroristas. O comunicado dizia que Teerã via o Hezbollah como um grupo legítimo, que está dentro da legalidade.

O porta-voz do ministério, Bahram Qasemi afirmou que o o grupo tem uma base social e popular grande, e, como outros partidos políticos no Líbano, participa das eleições e de atividades oficiais, com uma apresença ativa, principalmente nas eleições municipais.

Qasemi enfatizou que atualmente o Hezbollah tem várias cadeiras no Parlamento e está presente no gabinete de governo.

“Devido à sua brilhante história em defesa à soberania e integridade territorial do Líbano contra a ocupação e agressão sionista é respaldado por uma ampla gama de forças no país e na região”, disse o porta-voz, que também alertou no comunicado o fato de o próprio Hezbollah ser “vítima de terrorismo sionista e takfiri” (extremistas sunitas).

“Durante a última década, foi um dos pilares e elementos-chave da luta contra o terrorismo e a derrota dos grupos terroristas na região, incluindo o Estado Islâmico”, analisou.

O Hezbollah é um grupo apoiado pelo Irã e que lutou na guerra síria ao lado de Bashar al-Assad, presidente sírio, e seus aliados, para erradicar a presença do Estado Islâmico na região. Ele recebe apoio financeiro do governo do Irã.

A decisão do Reino Unido tem raizes na preocupação de que o Hezbollah ainda seja um grupo com fortes conexões com o crime organizado, principalmente no Oriente Médio, mas também na América Latina.

A medida do Reino Unido, que entrou em vigor na sexta-feira, 1, estabelece como crime punível com até dez anos de prisão ser membro ou incitar apoio a esta organização.

No dia 13 de novembro de 2018, os Estados Unidos incluíram Jawad Nasrallah, o filho do líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, em sua lista de terroristas. Apoiadores do grupo saíram nas ruas de Beirute, capital do Líbano, para protestar.

O Hezbollah é um grande inimigo de um aliado dos EUA, Israel.

*Com EFE