Israel, Cuba, Coreia do Norte e Brasil: Especialistas debatem tretas pelo mundo no Pânico

  • Por Jovem Pan
  • 27/11/2018 14h37
Jovem PanAndré Lasjt e Diogo Costa foram os convidados do Pânico desta terça-feira (27)

Pânico desta terça-feira (27) recebeu os especialistas André Lasjt e Diogo Costa para debater temas polêmicos na política mundial, entre eles a guerra entre Israel e Palestina, a relação entre Brasil e Cuba, e o regime da Coreia do Norte.

Neto de um sobrevivente do holocausto, André Lasjt defendeu o Estado de Israel e explicou como o país recebe concentra pessoas de diferentes religiões e origens, inclusive árabes. “Talvez os árabes de Israel sejam os árabes mais livres do Oriente Médio”, disse o especialista. “Negociar a cidade velha não é só importante para os judeus, mas para os cristãos e para o resto do mundo”, explicou.

Ele ainda falou que a população israelense é a favor da paz com os palestinos. “A população israelense é pacífica e deseja ter paz com seus vizinhos”, afirmou Lasjt.

Cuba e Coreia do Norte

Falando sobre Cuba e a polêmica do programa Mais Médicos, que trouxe médicos cubanos para o Brasil, André Lasjt e Diogo Costa criticaram o acordo feito pelos governos do PT com o governo da ilha caribenha. “O país é uma ditadura que está exportando pessoas e os países democráticos acham legal”, atacou Lasjt.

Já Diogo Costa afirmou que muitos dos médicos já não queriam continuar no Brasil. “Se a pessoa quer voltar pra Cuba, mostra que ela não quer estar aqui”, disse, ainda criticando o fato do governo brasileiro não conceder asilo político aos cubanos que pediram.

Seguindo a linha da exportação de pessoas, o cientista político lembrou de sua visita à Coreia do Norte. “A Coreia do Norte continua exportando gente até hoje”, afirmou, contando a história de uma secretário norte-coreana que seria mandada para Angola por saber falar português.

Costa ainda comentou sobre as diferenças entre os discursos liberal e socialista. “O discurso político liberal é difícil fazer emplacar, mas a economia dá muito certo, e o socialismo é o contrário”, explicou. Para ele, o mundo está muito polarizado politicamente. “A música da Anitta é boa ou ruim? depende da posição dela em relação ao Bolsonaro”, exemplificou.