Israel propõe reabertura gradual de escolas; medida desagrada prefeitos

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2020 11h12
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOOs jardins de infância serão reabertos uma semana depois, mantendo as regras de distanciamento social impostas pelo Ministério da Saúde

O governo de Israel aprovou nesta sexta-feira (1º) um plano para reabrir as escolas a partir deste domingo (3). A proposta é que quatro faixas etárias já retomem às aulas, enquanto o restante dos alunos volte no dia 1º de junho, segundo a imprensa local.

A medida, adotada com unanimidade pelo gabinete de ministros, determina que alunos de 6 a 9 anos e de 16 a 18 retornarem os estudos nesta semana. Nas escolas ultraortodoxas, o ensino será retomado para estudantes de 12 a 18 anos.

Os jardins de infância serão reabertos uma semana depois, mantendo as regras de distanciamento social impostas pelo Ministério da Saúde para prevenir a propagação do coronavírus.

A decisão, inserida em uma rápida reversão das restrições em Israel, que já aprovou a reabertura da maioria dos comércios e flexibilizou a circulação pelas ruas, não foi bem aceita por várias prefeituras, que já avisaram que não reabrirão as escolas nesta semana.

“Este plano não garante o bem-estar e a saúde dos jovens”, declarou Ron Huldai, prefeito de Tel Aviv,  que declarou a decisão de não reabrir as escolas, gesto repetido pelas cidades de Ramat Gan, Bat Yam e Safed, entre outras.

Ao todo, Israel registra 16.004 casos confirmados da covid-19 e 223 mortes no país. Nesta sexta-feira, 58 novos pacientes infectados tiveram diagnóstico positivo, o menor número em mais de um mês.

*Com informações da EFE