Israel registra variante indiana do coronavírus e vê eficácia menor da vacina da Pfizer contra mutação

De acordo com as autoridades de saúde do país, sete pessoas que chegaram do exterior na semana passada estavam infectadas com a nova cepa

  • Por Jovem Pan
  • 20/04/2021 11h48 - Atualizado em 20/04/2021 12h24
EFE/EPA/ABIR SULTANIsraelenses caminham em calçadão à beira-mar de Tel Aviv; desde domingo, 18, o uso de máscara ao ar livre não é mais obrigatório

As autoridades de saúde de Israel anunciaram nesta terça-feira, 20, que foram identificados oito casos de uma variante do coronavírus detectada pela primeira vez na Índia. Sete deles seriam de pessoas que chegaram do exterior na semana passada. As informações foram divulgadas pelo diretor-geral do Ministério da Saúde, Hezi Levy, em entrevista à rádio israelense Kan. O especialista acrescentou que, até o momento, acredita-se que a vacina contra Covid-19 desenvolvida pela PfizerBioNTech possui uma eficácia reduzida contra essa nova cepa. Ainda assim, na segunda-feira, 19, o país assinou um contrato com as farmacêuticas para a compra de mais “milhões de doses”. Apesar de não revelar a quantidade exata, o Ministério da Saúde informou que as vacinas permitirão “continuar combatendo o coronavírus até o final de 2022”. Com uma população de 9,3 milhões, Israel já completou a imunização de 81% dos seus cidadãos e residentes com mais de 16 anos. A queda drástica no número de casos diários da doença, que foi de 10 mil em janeiro para 200 em abril, levou o governo a retirar a obrigatoriedade do uso de máscara em espaços abertos no último domingo, 18.