Itamaraty pede “punição” para assassinato de brasileira na Nicarágua

  • Por Agência EFE
  • 24/07/2018 15h48
Reprodução/FacebookRaynéia Gabrielle Lima cursava o sexto ano de medicina na Universidade Americana (UAM)

O governo brasileiro condenou nesta terça-feira a morte da estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima na Nicarágua e pediu que as autoridades do país usem todos os esforços para identificar e punir os responsáveis.

Em comunicado, o Ministério de Relações Exteriores disse que recebeu com “profunda indignação” a notícia da morte da estudante de medicina atingida por disparos em “circunstâncias sobre as quais o governo brasileiro está buscando esclarecimentos junto ao governo nicaraguense”.

“O governo brasileiro exige que as autoridades nicaraguenses coloquem à disposição todos os esforços necessários para identificar e punir os responsáveis pelo ato criminoso”, defendeu.

A Universidade Americana (UAM), onde a jovem cursava o sexto ano de medicina, informou que ela foi baleada ontem por um “grupos de paramilitares”.

O assassinato de Raynéia ocorre no meio de uma crise sociopolítica, com manifestações contra o presidente Daniel Ortega, cuja repressão deixou entre 277 e 351 mortos, conforme organizações humanitárias locais e internacionais.

O governo brasileiro voltou a condenar “o aprofundamento da repressão, o uso desproporcional e letal da força e o emprego de grupos paramilitares em operações coordenadas pelas equipes de segurança”.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos responsabilizaram o governo da Nicarágua por “assassinatos, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias” que estão ocorrendo no país.